SIGA O EM

Kalil, prefeito eleito de BH: ''Acabou coxinha e mortadela; agora é quibe''

Ex-cartola foi eleito com 52,9% dos votos válidos, em uma disputa apertada com o tucano João Leite

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1083423, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Leandro Couri/EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/10/30/819533/20161030204330861144o.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 30/10/2016 20:01 / atualizado em 30/10/2016 20:46

Alessandra Mello

Leandro Couri/EM/D.A Press
O prefeito eleito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PHS), agradeceu aos eleitores pela vitória e disse que vai governar para todos. O ex-cartola também brincou com sua origem turca e disse que pretende acabar com a polarização entre PT e PSDB, que vem marcando as últimas disputas na capital mineira. “Acabou coxinha, acabou mortadela, o prato agora é kibe”, ironizou o candidato.

"Vamos transformar esta cidade numa cidade melhor. Nos vamos acabar com esta divisão coxinha e mortadela.As noites que chorei no meu quarto, sozinho com minha mulher (Ana), valeram a pena”, disse Kalil, que venceu a disputa com uma pequena margem de votos sobre seu adversário, o deputado estadual João Leite (PSDB). Kalil teve 52,9% dos votos válidos contra 47,02% do tucano, uma diferença de pouco mais de 70 mil votos.

A reta final da campanha foi marcada por uma disputa acirrada e muitos ataques, principalmente nos últimos dias de campanha. Apesar disso, Kalil disse que pretende procurar todos os partidos para fazer a transição e para governar.

O prefeito eleito disse ainda que vai conversar também com o PSDB, que faz parte da atual administração, e seus “expoentes”, mas não citou o nome do senador Aécio Neves e sim do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), adversário do mineiro dentro da legenda.

Kalil disse que não foi procurado por João Leite depois da proclamação do resultado, mas que recebeu um telefonema do governador Fernando Pimentel (PT), parabenizando pela vitória.

Em entrevista após a derrota, João Leite alfinetou o adversário que se elegeu com o mote "chega de política". "A política não pode ser negada, porque a democracia se dá no âmbito da política. A negação proporciona um ambiente para o autoritarismo", disse Leite que também afirmou sair dessa eleição preocupado com o alto número de abstenções e votos brancos e nulos.  Na eleição deste domingo, 22,77 % dos eleitores não foram votar, 4,85% votaram em branco e 15,52% anularam. 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Ademilton
Ademilton - 31 de Outubro às 08:28
Quero ver a justiça eleitoral pedir explicação da venda de um imóvel por R$ 2.200.000,00 com contrato de gaveta! Também, gostaria da opinião do juiz se essa dilapidação de patrimônio pode ser caracterizada como fraude contra credores, em face de dívidas trabalhista e fornecedores.
 
jose
jose - 31 de Outubro às 03:39
Pelo menos aqui afastamos essa praga evangélica que infesta o país.........
 
Eduardo
Eduardo - 30 de Outubro às 21:35
Joao Leite não era o melhor candidato mas perto do Kalil era o menos pior. Agora veremos como será a administração do Kalil. Se suas empresas serão beneficiadas e sairão do buraco.
 
Luciano
Luciano - 30 de Outubro às 21:19
Belo Horizonte, primeiro com Dilma e agora com Kalil, mostra-se despreparada e desqualificada para escolher seus governantes.
 
Alexandre
Alexandre - 30 de Outubro às 21:14
É preciso aprender a fazer conta: Somando-se os votos válidos; nulos; abstenções; em branco e os do candidato que perdeu, totaliza 67,42%, isto é eleito com apenas 38,50%.