SIGA O EM

Kalil diz que sabe negociar e não quer ser conhecido pela política do enfrentamento

O candidato participou de entrevista exclusiva transmitida ao vivo pelo Portal Uai e Estado de Minas e rechaçou a ideia de que vai optar pela política do enfrentamento, caso seja eleito

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1080358, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Sidney Lopes/EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/10/18/815404/20161018185009364635u.shsgshsh', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 18/10/2016 17:03 / atualizado em 18/10/2016 19:52

Marcelo Ernesto

Sidney Lopes/EM/D.A Press

O candidato à Prefeitura de Belo Horizonte Alexandre Kalil (PHS) afirmou nessa terça-feira que sabe negociar e pretende afastar a imagem que governar baseado na política de enfrentamento. “Eu quero despregar de mim um pouco esse negócio de que vai peitar. Eu vou fazer porque sei fazer, sei chamar para a mesa, já fiz. Sei também organizar, sei fechar a torneira e sei o que é hierarquia”, disse. Na entrevista exclusiva ao PortaL Uai e jornal Estado de Minas, Kalil ainda se posicionou favorável a criminalização da homofobia e tratou o Orçamento Participativo, como a execução das obras atrasadas, como prioridade. A entrevista foi o segundo assunto mais comentado no Trending Topics do Twiter em BH.

No dia 04 deste mês o entrevistado foi o tucano João Leite. Na entrevista, entre outras coisas, ele rechaçou a pecha de ser defensor de criminosos, em referência à atuação na Comissão de Direitos Humanos.



O ex-presidente do Atlético rechaçou a ideia de que fará a política de “peitar” setores da sociedade para conseguir implantar as propostas que pretende para a cidade. Ao comentar sobre como vai ser sua relação com as empresas de ônibus que atuam na cidade, o candidato disse que vai implantar as diretrizes, mas que vai chamar os empresários para conversar.

Ainda sobre o assunto , ele afirmou que pretende que a frota do transporte de BH seja trocada a cada quatro anos e além de ser ampliada, principalmente no horário de pico. “Nós vamos chamar as empresas informá-las: Belo Horizonte agora tem prefeito, BH agora tem secretaria de transporte , qie é a BHTrans, e que não pertence mais a eles. Nós não vamos peitar ninguém, nós vamos voltar a Belo Horizonte o que sempre foi da cidade”, comentou.

Nova rodoviária


Sobre a rodoviária, Alexandre Kalil afirmou que pretende rever a transferência do terminal para o Bairro São Gabriel, proposta que vem sendo executada pela atual gestão do prefeito Marcio Lacerda (PSB). Para ele, a atual consegue atender bem a população da cidade. “A princípio não é prioridade nossa, nesse primeiro mandato, nova rodoviária, novo centro administrativo. São coisa que nós temos que pegar o orçamento da prefeitura e viabilizar isso de alguma forma”, disse.

Ainda sobre o embarque desembarque de passageiros, o candidato do PHS afirmou que sempre que a demanda for alta, como em feriados, o fluxo de passageiros pode ser desviado para terminais paralelos, como o que funciona da Estação José Cândido da Silveira, no Bairro Santa Inês, Região Leste da cidade.

O candidato emendou dizendo que as obras do Orçamento Participativo devem ser priorizadas para antes definir novos investimentos. Segundo ele, várias obras que foram escolhidas pela população não foram realizadas e isso será a prioridade, antes de partir para novos investimentos. Ele enumerou que cerca de 14 obras podem ser concluídas nos seis primeiros de governo dele, caso seja eleito.

Perguntando sobre a situação da BHTrans, Kalil afirmou que pretende valorizar os técnicos que atual na empresa e que ela passará a ser o principal órgão da prefeitura para cuidar do trânsito na capital. “Eu vou tomar a BHTrans dos empresários, porque eles mandam lá dentro, e devolver a BHTrans ao povo de Belo Horizonte. O que é isso? Entregar aos técnicos que sabem como fazer”, disse.

Criminalização da homofobia


Perguntado sobre a possível proposta de implantar banheiros únicos para crianças, Kalil disse que não era verdade e que a informação não passava de 'mentira plantada”. Apesar disso, o candidato disse que não é favorável a medida.

Especificamente sobre políticas para a comunidade LGBT, Kalil disse que é necessário que haja tolerância entre as pessoas e se posicionou favorável, inclusive, a criminalização da homofobia. “Vamos viver em paz. Vamos parar de dividir o país, a divisão do país nos levou a isso. Deixa quem é LGBT pra lá, deixa quem não é para cá. Vamos para festa junto, vamos beber cerveja, vamos falar de futebol, porque todos falam de todos os assuntos”, afirmou.

Críticas a João Leite


Kalil não deixou de fazer críticas ao adversário na disputa pela PBH, João Leite (PSDB). Para ele, o tucano não tem experiência administrativa e, por isso, não pode fazer julgá-lo ao comentar sobre a experiência dele como presidente do Atlético. “Qualquer pessoa que tiver administrado uma lanchonete que faz vitamina de morango já fez mais que o João Leite, porque ele nunca administrou nada”, afirmou.

Sobre educação, Kalil disse que os professores devem ser valorizados e disse que está recebendo representantes da categoria para ver as demandas.

Sobre segurança pública, Kalil dise que, apesar de não ser uma atribuição do municipal, vai adotar medidas como o aumento no efetivo da guarda municipal, melhoria na iluminação, além do aumento da fiscalização dos espaços públicos. “BH tem que parar de defender bandido e começar a defender mocinho”, disse.

Saúde


Sobre saúde ele ainda afirmou que faltam medicamentos nas unidades de saúde e criticou a demora na marcação das cirurgias eletivas. Ele afirmou que pretende contratar mais médicos e não vai terceirizar o atendimento através de clínicas.

Uber x Taxi


A polêmica entre Uber e Taxi, Kalil disse que os taxistas são as principais vítimas da chegada da Uber. Ele fez defesa dos taxistas afirmando que a categoria paga muitos impostos e,, por isso, merece atenção. Mas afirmou que caberá a Justiça no âmbito federal bater o martelo sobre a questão.

Relação com Pimentel e Temer


Sobre sua relação com o governo do estado e com federal, Kalil disse que tudo ocorrerá de forma “amistosa”. “Eu não carrego a pecha de golpista, nem de tchau querida, não tem nada disso. Eu sou um cidadão neutro e vu buscar ajuda do governo do estado, do governo federal escorado por ser o prefeito da terceira mais importante cidade do país”, declarou.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Edson
Edson - 19 de Outubro às 08:37
Quem comenta aqui falando mal do Kalil: funcionários ou terceirizados pagos pela maldita Máfia das garagens, a qual está DESESPERADA com a possibilidade do Kalil ganhar as eleições, e pela primeira vez em 60 anos, eles NÃO elegerem um prefeito lacaio de suas operações criminosas!!! Defendo a anulação de TODOS os contratos com os atuais consórcios de ônibus da capital e abrir licitação para empresas de fora do estado de MG!!! É estrangular o cartel das garagens!!! A população precisa dar o troco bem dado a esses empresarios criminosos que a 60 anos, escravizam Belo Horizonte!
 
Edson
Edson - 19 de Outubro às 08:35
E o medo das Garagens de ônibus do Kalil ganhar as eleições hein???
 
Dalton
Dalton - 18 de Outubro às 22:20
Não imagino o Kalil como um bom prefeito, não vi até hoje equilíbrio nele enquanto presidente do atlético não acho que vai ser diferente. Só que se desbancar a sodomia do PSDB mineiro, será um grande passo para mudança na nossa podre política partidária, que coopta ministros, juízes e todas as esferas de governo e justiça. Quica depois possamos eleger alguém que possa ser efetivamente útil ao povo?
 
Luiz
Luiz - 18 de Outubro às 19:50
Se Kalil já passou na frente de João Leite, agora dispara... e será o novo Prefeito de BH. Em todas as eleições, João Leite só chega a esse patamar e depois a queda é iminente.
 
Diego
Diego - 18 de Outubro às 19:37
João Leite falando até mais baixo, quase um santo . Aliás, santo não, pastor não é mesmo? Esse papo do PSDB já deu, não cola mais não. O último candidato que mudou a voz em horário político foi o Leonardo Quintão e ele se ferrou.
 
Matuzail
Matuzail - 18 de Outubro às 18:44
Kalil não negocia e não sabe. Saiu do atlético aumentando a dívida do time em centenas de milhões. Não soube negociar na mesa da Liga. Não pagou iptu por anos. Não repassou inss dos funcionários. Ele é um falastrão, isso sim.
 
Diego
Diego - 18 de Outubro às 19:36
Não é hora de falar de futebol seu idiota, é hora de falar da prefeitura de nossa cidade, que está sim muito judiada e precisa de mudança.
 
Carlos
Carlos - 18 de Outubro às 18:20
Ele só não fala do IPTU que ele deve à prefeitura e não paga.