SIGA O EM

Vereadores em Minas precisam de raros e preciosos votos

Em Minas, 335 candidatos se tornaram vereadores no último pleito com a escolha de menos de 100 pessoas. Uma parlamentar foi reeleita na Zona da Mata com 46, o menor número do estado

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1079880, 'arquivo_grande': '', 'credito': '', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/10/17/814750/20161017071416778841o.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}, {'id_foto': 1079881, 'arquivo_grande': '', 'credito': '', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/10/17/814750/20161017071422259830o.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 17/10/2016 06:00 / atualizado em 17/10/2016 07:18

Juliana Cipriani /



Separada por 225 quilômetros e 17.374 votos de Áurea Carolina (PSOL) – a mais votada para a Câmara Municipal de Belo Horizonte –, a vereadora eleita em Paiva, na Zona da Mata, Sandra Aparecida dos Santos (PRB), conquistou uma das nove cadeiras no Legislativo do pequeno município com apenas 46 votos. Ela se tornou a parlamentar eleita com menos votos em Minas Gerais. Além dela, mais uma candidata conseguiu uma cadeira com menos de 50 pessoas digitando seu número nas urnas. Em todo o estado, 335 pessoas se tornaram vereadores com a escolha de menos de 100 eleitores. Ao todo, esses eleitos somaram 28.628 votos.

Mesmo com o menor número de votos em números, Sandra Santos representa um percentual maior do eleitorado de sua cidade do que o de Áurea Carolina, por exemplo. Sandra obteve 2,95% dos votos válidos, enquanto os 17.420 votos da vereadora mais votada de Belo Horizonte equivalem a 1,46% do total. No município de Paiva, 1.594 eleitores foram às urnas, representando 93,3% dos aptos a votar.

Reeleita para uma das nove vagas da Câmara, Sandra Santos, de 39 anos, funcionária pública, teve adesão reduzida em relação ao primeiro mandato, em 2012, quando conquistou 77 votos. Ela diz que foi eleita com os votos de parentes e amigos. Desta vez, dividiu a preferência da família com dois primos que também se candidataram: Luciano Ferreira do Carmo (PDT) e José Bárbara (PRB). O primeiro deles, conhecido como Laninho, foi eleito com 57 votos.

“A família é grande. Por ser uma cidade pequena, achei que ainda fui bem votada”, avalia Sandra, que atualmente é a única mulher ma Câmara da cidade da Zona da Mata, e faz oposição à prefeitura. Para o próximo mandato serão mais duas mulheres e ela será da base do governo. Sandra reclama não ter conseguido fazer nada no primeiro mandato por causa da relação conflituosa com a prefeitura. Agora está animada porque vai ter apoio. Ela diz ter projetos nas áreas de esporte, meio ambiente, educação e saúde.

Para a vereadora Sandra, a eleição no interior é bem mais fácil e barata. “A gente conhece todo mundo e é mais fácil fazer campanha, dá para ir a pé. Foi só boca a boca, não gastei nada”, diz. A Câmara de Paiva tem apenas duas sessões por mês e o salário de vereador é de R$ 2.243.

DECEPÇÃO NAS URNAS Se a vereadora eleita com menos votos em Minas está satisfeita, em Cedro do Abaeté, na Região Central de Minas, o vereador Carlos Ribeiro de Andrade (PMDB) tem outra visão. Carlito, como é conhecido, está muito chateado com os 56 votos que o tornaram o vereador menos votado do município, com 4,67% dos votos válidos. Tanto que disse que, depois de cinco mandatos, vai encerrar a carreira de vereador.

“Você pode perguntar em qualquer lugar da cidade quem é o único vereador que tem projeto aprovado, que apresentou mais projetos, que participa das conversas e vão te dizer que é o Carlito”, afirma. E acrescenta: “Tenho um trabalho importante e, de repente, sou o menos votado. Todo mundo na minha família ficou decepcionado”. Questionado sobre de onde teriam vindo os seus votos, o vereador disse que “das pessoas mais conscientes”.

Carlito afirma que não vai deixar de ser político. Pretende continuar o trabalho de incentivo a terapias naturais, como fitoterapia e homeopatia, apoiando associações. Aliás, o projeto mais importante de seus mandatos, segundo ele, foi justamente um pedindo para inserir esses tratamentos no Sistema Único de Saúde (SUS) do município. “É uma luta ingrata. Já fui o vereador mais votado da cidade, com 88 votos, mas nesta fui o menos votado. Sou o autor dos 10 mandamentos do vereador, sempre denunciei as coisas erradas”, reclama, inconformado. Entre os 10 mandamentos pregados por Carlito está um que, para ele, deveria nortear todos os parlamentares do país. “Ser vereador sem saber o significado de verear é o mesmo que ser salva-vida no mar sem saber nadar.”



Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600