SIGA O EM

Denúncia contra Lula reduz chances de PT nestas eleições, diz cientista político

O juiz Sérgio Moro acolheu denúncia da Procuradoria da República no Paraná contra o ex-presidente em ação penal da Operação Lava-Jato, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1073818, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Roberto Parizotti', 'link': '', 'legenda': 'Lula durante pronunciamento na ter\xe7a-feira (19), ap\xf3s Minist\xe9rio P\xfablico Federal denunci\xe1-lo por corrup\xe7\xe3o e lavagem de dinheiro', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/09/21/806349/20160921125732296240a.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 21/09/2016 12:31 / atualizado em 21/09/2016 12:59

Agência Estado

Roberto Parizotti

Porto Alegre - A decisão do juiz federal Sérgio Moro, que aceitou denúncia e tornou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva réu em ação por corrupção e lavagem de dinheiro, poderá influenciar as eleições municipais que ocorrem em menos de duas semanas, na avaliação do cientista político Fabio Wanderley Reis, professor emérito da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Segundo ele, o fato novo de transformar Lula em réu acrescenta mais um elemento a uma tendência "já muito nítida", caracterizada por um clima desfavorável ao PT.

Moro acolheu nesta terça-feira, 20, denúncia da Procuradoria da República no Paraná contra o ex-presidente em ação penal da Operação Lava-Jato, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. "Isso vai reforçar a circunstância negativa que o PT está enfrentando. Ajuda a diminuir as chances de o partido se recuperar nessas eleições", disse o cientista político, acrescentando que a expectativa é de que a sigla diminua sua representatividade no âmbito municipal.

Ele também ressaltou que a denúncia não pode ser considerada surpreendente, pois segue a "linha de trabalho da Lava-Jato", mas que isso não significa que não possa influenciar a opinião pública. O professor ponderou, no entanto, que seria precipitado fazer qualquer tipo de previsão sobre a eleição presidencial de 2018.

"Existe a possibilidade de que a denúncia não conclua em condenação. E existe a possibilidade de contestação no nível mais alto, que é o Supremo Tribunal Federal (STF)", avaliou. De acordo com Fabio Wanderley, de partida, "incontestavelmente o quadro é negativo", porém não há razão para se trabalhar isoladamente com a denúncia.

"Havendo absolvição ou contestação, ele (Lula) pode ser colocado novamente como vítima", afirmou, acrescentando que também é preciso levar em conta o contexto de "espetacularização" em que a denúncia foi apresentada pelos procuradores da Lava-Jato, há uma semana. Nesse sentido, conforme o cientista político, hoje não é possível dizer, de forma alguma, que Lula está fora disputa de 2018. "Não dá para ser simplista neste sentido."
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600