SIGA O EM

Propaganda eleitoral na TV começa com apresentações e pedido de 'desculpa'

Os 11 candidatos a prefeito de BH usaram os 10 minutos de programa para se apresentar e foram diretos em seus recados.

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 26/08/2016 14:15

Juliana Cipriani /

Os candidatos à Prefeitura de Belo Horizonte usaram os primeiros 10 minutos de propaganda eleitoral na televisão para se apresentar e delimitar em que campo estão na disputa.

Com o tempo reduzido pela nova legislação, os políticos procuraram ser mais diretos em seus recados. Ao contrário de campanhas anteriores, os programas não trouxeram muitos personagens nem muita conversa.

Com o maior tempo disponível, o deputado estadual João Leite (PSDB) começa dizendo saber que estão todos indignados com a política e que gente errada tem em todo lugar. Ele se propõe a fazer política do jeito "certo" e "com verdade". O tucano criticou políticas da Prefeitura de BH nas áreas de drogas e saúde.

 

“Quero ser prefeito de BH para que não existam mais pessoas invisíveis nesta cidade”, disse.

 

O candidato Rodrigo Pacheco (PMDB) apresentou BH como uma "mãe que quer ver seus filhos felizes". Ele apresentou a proposta de prefeitura integral, que, segundo o peemedebista consiste em ter uma ação articulada em todas as áreas.

“Precisamos de uma administração que respeite você e preste serviço para o que você precisa, e não quando é conveniente para ela”, disse.

O vice-prefeito Délio Malheiros (PSD) começou explicando por que quis ser candidato a prefeito e contou sua experiência como advogado, vereador e deputado estadual. Ele contou ter ficado conhecido como advogado do consumidor e, em seguida, começou a aparecer em imagens ao lado do prefeito Marcio Lacerda (PSB).

 

Délio disse que quando surgiu a oportunidade de ser o candidato do prefeito, encarou como uma oportunidade para fazer muito para muita gente. “O bom trabalho não pode parar”, anunciou.

Já o deputado federal Reginaldo Lopes, candidato do PT, começou o programa com imagens históricas para dizer que "errar é humano", mas "voltar a sonhar também é humano". Foi a deixa para dizer que viveu o melhor e o pior do PT e pedir desculpa pelo fato de o partido, segundo ele, ter entrado em um modelo viciado.

Reginaldo Lopes disse ainda que tem 14 anos de vida política e nunca esteve envolvido em listas de corrupção e nem enriqueceu.


Com bem menos tempo que os concorrentes, Alexandre Kalil (PHS) foi ainda mais direto. Disse que prefeito é um serviço público e, como tal, tem que servir à população. “Chega de político, agora é Kalil”, disse o bordão.

Marcelo Álvaro Antônio (PR) disse ter nascido no Barreiro e que quer fazer política frente a frente com o povo. Prometeu priorizar a periferia. Sargento Rodrigues (PDT) chorou e afirmou que seu desafio são as políticas sociais. Tibé (PTdoB) lembrou sua trajetória e alegou ser contra a velha política. Eros Biondini (Pros) mostrou a capa de um caderno com o programa de governo e prometeu mudar e fazer melhor.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600