SIGA O EM

Operação Lava-Jato prende lobista ligado ao PMDB e dono de empreiteira

Na 19ª fase apelidada de "Nessun Dorma", foram presos um dos donos da Engevix e o operador João Augusto Henriques. Objetivo estender investigações sobre núcleos de Dirceu, Zelada e Othon

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/09/2015 07:50 / atualizado em 21/09/2015 10:14

Eduardo Militão

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta segunda-feira a 19ª fase da Operação Lava-Jato – a maior ação de combate à corrupção da história recente do Brasil – apelidada de “Nessun Dorma”. Os policiais prenderam o lobista ligado ao PMDB João Augusto Henriques e um dos três donos da empreiteira Engevix, José Antunes Sobrinho.

São cumpridos 11 mandados ligados a irregularidades envolvendo pessoas ligadas aos núcleos de apuração do ex-ministro José Dirceu, do ex-diretor de Internacional da Petrobras Jorge Luiz Zelada e do ex-presidente da Eletronuclear Othon Luiz Pinheiro, todos presos em etapas anteriores.

Henriques foi preso temporariamente – por cinco dias – no Rio de Janeiro. Ele admitiu em conversa gravada em 2013 que pagava propinas para políticos do PMDB a partir de contratos com irregularidades na Petrobras. Ele chegou a dizer que, de um negócio de US$ 800 milhões com a empreiteira Odebrecht, US$ 8 milhões foram parar nas mãos do então tesoureiro do PT João Vaccari Neto, nas eleições de 2010, quando a presidente Dilma Rousseff foi eleita pela primeira vez.

José Antunes Sobrinho foi preso preventivamente. Ele é suspeito de pagar R$ 140 milhões em propinas na Eletronuclear para uma empresa de Othon Pinheiro, a Aratec. Ele é um dos três donos da Engevix – além de Cristinano Kok e Gérson Almada, este último em prisão domiciliar.

Três cidades

Na “Nessun Dorma”, os policiais federais cumprem sete mandados de prisão, um de prisão preventiva, um de prisão temporária por cinco dias e dois de condução coercitiva, quando o investigado é levado para prestar um depoimento e liberado. Os agentes e delegados cumprem as ordens do juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba, Sérgio Moro, nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Florianópolis.

A investigação é um avanço das apurações das fases em que se investigaram os grupos ligados a Dirceu, Zelada e Othon. A prisão preventiva e a busca são ligadas a um executivo investigado nas fases 16ª e 17ª – que investigaram Othon e Dirceu. Para a PF, ele pagou propinas a agentes públicos e investigados nessas duas etapas.

No núcleo ligado ao ex-diretor de Internacional Jorge Zelada, apuram-se pessoas e empreiteiras. Segundo a PF, há suspeita que elas pagaram agentes públicos e políticos no exterior. Zelada já teve 10 milhões de euros confiscados no Principado de Mônaco pela Justiça daquele país. Uma das empresas sediadas no Brasil recebeu cerca de R$ 20 milhões entre 2007 e 2013 de empreiteiras já investigadas na operação Lava-Jato por favorecimento em contratos com a Petrobras e pagamento de propinas.

Todos os presos serão levados para a carceragem da Polícia Federal em Curitiba.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
valmir
valmir - 21 de Setembro às 08:06
esses policia federal andam muito instruídos: até conhecem Turandot e sua aria mais famosa..to bobo. (e olha que sou do tempo que eles chegavam no teatro procurando o autor da peça subversiva, um tal de Sófocles que ia entrar no pau lá no DOPS se fosse apanhado)