SIGA O EM

Lula rechaça teoria de que País estaria dividido

Citando realidades políticas de outros países, como França, Alemanha e Estados Unidos, o ex-presidente disse que "no mundo inteiro" existe divisão de forças políticas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 746058, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'EVARISTO SA', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2014/10/29/584871/20141029202125412125a.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': None}]

postado em 29/10/2014 19:49 / atualizado em 29/10/2014 19:21

Agência Estado

EVARISTO SA

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva rechaçou a teoria que o País está dividido após o processo eleitoral que reelegeu a presidente Dilma Rousseff e exaltou o amadurecimento na democracia brasileira. Em um segundo vídeo divulgado nesta quarta-feira, 29, Lula afirmou que "não existe nenhuma possibilidade de imperar neste país qualquer tentativa separatista". "Isso só demonstra ignorância de quem pensa assim, só demonstra falta de sabedoria política. Porque o povo brasileiro acata o resultado eleitoral", disse.

Segundo o ex-presidente, não é a primeira vez que tentam dizer após as eleições que o País está dividido e que é natural que após o resultado haja tensões, mas que elas precisam ser superadas. Comparando a disputa a um clássico de futebol, Lula afirmou que depois da tensão "as pessoas compreendem que são torcedores e cada um tem o direito de torcer para o seu time. Na política é a mesma coisa", afirmou.

Citando realidades políticas de outros países, como França, Alemanha e Estados Unidos, o ex-presidente disse que "no mundo inteiro" existe divisão de forças políticas. "Só que no Brasil algumas pessoas acham, porque a eleição foi bastante disputada, que tem uma divisão no País", afirmou, ressaltando que o Brasil "é o exemplo mais importante no mundo de país unificado".

Nordeste e diálogo

Ao rebater a ideia de divisão no País, Lula defendeu o Nordeste e destacou que a presidente Dilma também teve votos de 41% dos eleitores do Sul e do Sudeste. "É uma pena que algumas pessoas não conhecem o Nordeste. Ainda pensam que o Nordeste é atrasado, as pessoas precisam só aprender um pouco de história para saber que durante 300 anos o Nordeste foi mais importante do que o Sudeste e do que o Sul do País. E nem por isso se brigava para ser separatista", disse.

Lula afirmou que a presidente Dilma saberá governar para todos e comentou o pronunciamento de derrota do candidato tucano Aécio Neves, que afirmou que a presidente terá que unir o País. "Não tem essa de jogar a responsabilidade nas costas da presidenta", afirmou. "Não é só obrigação da Dilma unir o Brasil, é obrigação dos partidos políticos, é obrigação do candidato que perdeu as eleições, é obrigação dos candidatos que não foram para o segundo turno, é obrigação dos movimentos sociais. A responsabilidade é de todo mundo", disse.

Lembrando suas derrotas em 1989, 1994 e 1998, Lula disse que sempre acatou a decisão das urnas e que mais uma vez a democracia venceu. "Vamos parar de falar a bobagem e vamos dizer que a democracia venceu. E nessa vitória da democracia tem um presidente eleito que é a nossa querida companheira Dilma Rousseff", finalizou.