SIGA O EM

Governador eleito em Minas, Fernando Pimentel vota em BH

Ao deixar a seção eleitoral ele disse que terá boas relações com qualquer presidente eleito

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 26/10/2014 10:00 / atualizado em 26/10/2014 11:24

Junia Oliveira /

Junia Oliveira/EM DA Press
Debaixo da chuva fina que caiu na manhã deste domingo, o governador eleito de Minas Gerais pelo PT, Fernando Pimentel, afirmou que manterá boas relações com o novo presidente, independente de quem for eleito. "É uma obrigação institucional" , afirmou, embora tenha admitido maior facilidade se reeleita a presidente Dilma Rousseff. "Evitendentemente eu tenho mais facilidade com uma presidenta que é do meu campo político, com quem tenho relações inclusive de amizade", disse ao chegar para votar na Escola Estadual Leopoldo de Magalhães, no Bairro Santo Antônio, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte.

Ele se disse otimista em relação à vitória de Dilma Rousseff, ante o candidato do PSDB, Aécio Neves, e minimizou o acirramento da campanha eleitoral, com agressões mútuas entre os dois candidatos. "Acho que o debate ao longo do processo todo mostrou a diferença entre os dois campos. Apesar do acirramento, isso não prejudicou a possibilidade de o eleitor escolher bem", afirmou. A disputa apertada que as últimas pesquisas de intenção de voto apontaram, de acordo com o governador eleito de Minas, já era esperada. "Há dois projetos, dois modelos e o acirramento é inevitável."

Pimentel aproveitou a fala para lamentar a publicação pela Revista Veja na sexta-feira que acusa Dilma e o ex-presidente Lula de terem conhecimento do esquema de corrupção na Petrobras, sem tomarem providência, com base em suposto depoimento do doleiro Alberto Youssef à Polícia Federal.

Sem citar o nome da revista, Pimentel criticou a matéria. "Um órgão de imprensa antecipa uma edição, publica uma matéria sem qualquer fundamento, com uma fonte", e emendou "...isso a Justiça corrige", em referência ao pedido de direito de resposta feito pelo PT e a campanha da presidente Dilma.

Ao chegar, sozinho, à sessão de votação, às 9h40, Pimentel fez questão de dizer que o país deve celebrar a democracia brasileira e o voto livre de milhões de cidadãos: "Seja qual for o resultado das eleições, por si só, é uma vitória para o povo brasileiro. Os mais jovens, às vezes, não sabem quanto custou para o Brasil ter liberdade, democracia e direitos civis como nós temos hoje". A assessoria do governador eleito informou que depois do voto, às 9h52, ele seguiria a Brasília para acompanhar a apuração, ao lado de Dilma Rousseff.