SIGA O EM

Aécio passa sábado na cidade natal do avô Tancredo Neves

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 26/10/2014 06:00 / atualizado em 26/10/2014 07:40

Jorge Macedo - especial para o EM

Gustavo Werneck
Enviado especial


Euler Junior/EM/D.A Press. Brasil.

São João del-Rei –A cidade natal do presidente Tancredo Neves (1910-1985) vive a expectativa de ver eleito, hoje, para o posto máximo da República, outro filho da terra. Mesmo que o candidato tucano Aécio Neves, de 54 anos, tenha nascido em Belo Horizonte, moradores da Região do Campo das Vertentes o consideram são-joanense da gema – afinal, foi na cidade que ele sempre passou férias, fez uma legião de amigos e construiu sua história, atento aos ensinamentos do avô Tancredo. Na ruas do Centro Histórico e bairros distantes, o eleitorado estampa rosto, número e legenda do candidato nos carros, no peito, na porta de casa e até em bolsas. “Ele é o mais bem preparado para ser presidente do Brasil. Vai investir muito em educação e pôr um fim à corrupção. Além disso, é fundamental a alternância de poder”, diz o estudante de engenharia mecânica Luiz Gustavo Rios Fortunato, de 20, mostrando o adesivo na moto.


No primeiro turno, o candidato do PSDB recebeu 27.413 votos em São João del-Rei ou 54,64% dos válidos. Entre os admiradores, está a comerciante Vera Lúcia Mattar, residente na Rua Getúlio Vargas, bem perto da Igreja de Nossa Senhora do Carmo. “Esta é a vez dele e ninguém tira”, proclama Vera Lúcia, no fim da tarde da última quarta-feira, sentada na porta da casa colonial, costume bem característico do interior das Gerais. Na sua avaliação, Aécio sabe exatamente o que faz e, com certeza, “vai melhorar em 100% a vida dos brasileiros”.


Em poucos minutos, Vera Lúcia caminha até a janela, onde está o neto Vinícius, de 16, que vota pela primeira vez, e recebe um abraço carinhoso. “Nada mais importante do que pensar na população de maneira ampla”, afirma a comerciante olhando para o adolescente, que, com um sorriso, afirma que o tucano saberá “corrigir o que está errado” no país.


Basta caminhar pela cidade para constatar que, em cada canto, moradores se lembram de Tancredo Neves e associam a sua trajetória democrática ao candidato tucano, o qual é citado com total intimidade. “Aécio vai salvar o Brasil, pois aprendeu tudo com o avô”, resume o aposentado Edson Borges Gonçalves, de 59, conhecido como Canela, destacando que Aécio é são-joanense de coração. Quem também não poupa elogios ao candidato do PSDB é o casal Kléber Bacarini Viegas, médico, e Raquel Rossito Vieira: “Aécio tem formação como ser humano e capacidade administrativa, além de ser uma pessoa muito boa. Teve papel fundamental na criação da Universidade Federal de São João del-Rei, antiga fundação (Funrei). Nesse momento, todo mundo quer mudanças”, ressalta o médico.

JABUTICABA “Compra-se jabuticaba”. Assim diz o cartaz colado na porta da casa de Izabel Cristina Lima Rezende, 47 anos, servidora pública e especialista na produção artesanal de geleias da fruta. Mais acima do cartaz está um retrato do tucano, de quem Izabel Cristina destaca o caráter e coerência na vida pública. “Sempre acompanhei o seu trabalho como deputado federal, presidente da Câmara, governador de Minas por duas vezes e senador. O Brasil só terá a ganhar com a sua escolha, hoje, para ocupar o cargo político máximo da nação, pois se trata do homem fundamental para a missão”, acredita Izabel Cristina. Com orgulho, ela conta que o tucano é fã da sua geleia de jabuticaba.


Nos últimos dias que antecederam a eleição, as emoções andaram a mil de Norte a Sul do país –discussões acaloradas ao vivo e em cores, troca de farpas nas redes sociais e descompasso entre amigos divididos entre Aécio e Dilma (PT). E nos bares e restaurantes a conversa é sempre a mesma: quem vai governar o Brasil nos próximos quatro anos? O assunto ganha força nos estabelecimentos da Avenida Tiradentes, no Centro da cidade, onde está a lanchonete de Claudionor Ferreira de Moura, de 87 anos, que se lembra de Aécio Neves ainda adolescente tomando sorvete. “Estou aqui desde 1957 e não me esqueço que o seu preferido era o de flocos”, afirma Claudionor, com seu jeito bonachão.


Quem passa na rua cumprimenta um amigo, faz um comentário e mostra seu entusiasmo. Com o semblante tranquilo, a aposentada Beatriz Resende mostra a bolsa com o adesivo do tucano e transpira confiança. “Estamos num momento de grande expectativa, mas, se o povo pediu mudanças, certamente terá com Aécio”, afirma a aposentada, que atua como voluntária numa creche.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600