SIGA O EM

Tarso e Sartori discutem dívida do RS em mais um debate

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 22/10/2014 12:31 / atualizado em 22/10/2014 12:40

Agência Estado

Porto Alegre - Os candidatos ao governo do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori (PMDB) e Tarso Genro (PT), que tenta a reeleição, colocaram de novo a renegociação da dívida do Estado como tema central de mais um debate, o sexto do segundo turno da campanha, desta vez na sede da Associação Gaúcha de Emissoras de Rádio e Televisão (Agert)

O debate ocorreu na manhã desta quarta-feira, dia 22, em Porto Alegre. Os dois candidatos ao governo gaúcho voltam a se encontrar na Rádio Guaíba, à tarde, e na RBS TV, nesta quinta-feira.

Logo na primeira pergunta do debate, Sartori acusou Tarso de ter prometido, na campanha de 2002, que renegociaria a dívida, afirmando que o PT está há 12 anos no governo federal e não promoveu o acordo. "A proposta não foi levada adiante porque eu perdi (a eleição de 2002)", rebateu Tarso. "Tivemos dois governos depois (de Germano Rigotto, do PMDB, e Yeda Crusius, do PSDB), que não apresentaram proposta, ficaram inativos, e no meu governo (desde 2011) a questão foi retomada".

Sartori afirmou que o acordo existente, com promessa de aprovação pelo Senado em novembro, "não serve para o Rio Grande" porque prevê apenas a mudança da correção, de 6% de juros anuais e mais a variação do IGP-DI para 4% de juros mais o índice que for menor entre o IPCA e a Selic.

Mesmo repassando 13% da receita para amortização, o Estado viu o total crescer de R$ 7,9 bilhões em 1998, quando houve a consolidação, para os atuais R$ 50 bilhões. Tarso vem dizendo que depois de conseguir a revisão dos índices de correção, o Estado vai buscar a redução do porcentual de comprometimento da receita. Sartori afirma que a negociação deveria ser feita de uma vez só e não por etapas.

Ao longo do debate, Tarso repetiu a estratégia de provocar Sartori a apresentar propostas, explicar como vai executá-las e que cortes fará se ganhar o governo. "Primeiro é preciso saber o que tem na contabilidade do Estado", retrucou o peemedebista, acusando o governo do concorrente de não ter respondido a perguntas feitas no início da campanha sobre o destino dos saques feitos ao caixa único e aos depósitos judiciais.

"Olhem na internet e lá acompanhem nossas propostas, ao contrário do que diz nosso adversário", sugeriu Sartori aos ouvintes. Tarso disse que o concorrente "é um vazio de projetos, que pede um cheque em branco para a sociedade e não se compromete com nenhuma proposta". Sartori rebateu acusando o petista de recorrer a muita "falação". "Prefiro um cheque em branco que um cheque sem fundos, a promessa por promessa é como um cheque sem fundos", ironizou.
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.