SIGA O EM

Pesquisas eleitorais provocam discórdias

A nove dias do pleito, pesquisas continuam em xeque após discrepâncias no primeiro turno

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/10/2014 00:12 / atualizado em 17/10/2014 08:06

Grasielle Castro

Cristina Horta/EM/D.A Press
Brasília – Nem mesmo os resultados idênticos das pesquisas de intenção de voto do Ibope e do Datafolha divulgados na quarta-feira, com 51% dos votos válidos para o presidenciável do PSDB, Aécio Neves, e 49% para a presidente e candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT), foram suficientes para restaurar a aura de confiança em torno das sondagens. As pesquisas eleitorais estão em xeque desde o término do primeiro turno, quando diversos levantamentos, tanto na disputa presidencial quanto nas estaduais, mostraram grande discrepância entre os prognósticos e o resultado das urnas. No Rio Grande do Sul, por exemplo, as intenções de voto no candidato ao governo José Ivo Sartori (PMDB) variavam, nos dois institutos, entre 23% e 26% dois dias antes da disputa, mas ele obteve 40,4%. A preocupação, agora, é que situação semelhante ocorra no segundo turno.

O historiador e consultor político Daniel Machado está no grupo de especialistas que questionam os resultados das pesquisas. “Percebemos que as sondagens não mostram a realidade. Já existe um grupo de pessoas que não confiam mais nelas. Com isso, as campanhas fazem pesquisas próprias e usam esses números para deixar o eleitor confuso porque acabam criando uma situação favorável para esse ou aquele candidato”, diz.

Ainda assim, Machado destaca que os levantamentos dos institutos são essenciais para o trabalho dos analistas políticos. “Mais do que o dado da intenção de votos, o que nos chama a atenção é a rejeição do candidato. É com base nesse índice, mesmo que não seja completamente preciso, que é possível calcular o teto de votos. A condução das campanhas é muito influenciada por esse percentual”, argumenta.

Estratégias

Machado ressalta que os comitês de campanha têm se direcionado por esses números para traçar as estratégias, e cita, como exemplo, uma tática para minar o candidato feita com base nas aferições para ver o quanto dá para apostar na migração de votos. Apesar de acreditar que os números possam tender para algum lado, Machado ressalta que os institutos buscam entender a polarização atual e recuperar a credibilidade. O mesmo raciocínio é compartilhado pelo professor do Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília (UnB) Paulo Calmon. “Temos que assumir que, pelo menos em tese, os institutos são sérios e possuem competência técnica para amostragem.”

Segundo Calmon, o fato de as duas últimas pesquisas terem mostrado resultados idênticos reflete coisas diferentes. “Os números mostram o momento atual. É preciso lembrar que muitos eleitores só decidem o voto na véspera. Não é confiável usar esses dados e apontá-los para o dia 26”, ressalta.

Professor da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas (Ebap) da Fundação Getulio Vargas (FGV) e doutor em estatística, Kaizo Beltrão também chama a atenção para o método usado nas pesquisas. “A diferença entre as urnas e as pesquisas pode estar na coleta de dados. Se ela está enviesada, não tem margem de erro que dê jeito, pois essa diferença para mais e para menos não está relacionada a tendências, vale apenas para uma pesquisa correta.”

Cobrança por transparência


Tão logo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) encerrou a apuração do primeiro turno, estatísticos, cientistas políticos e sociólogos questionaram a diferença entre o resultado das urnas e o das pesquisas. A primeira cobrança foi por mais transparência na metodologia empregada pelos institutos. Outro ponto debatido foi a falta de um indicador que meça a certeza do eleitor em relação ao voto.

O professor do Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília (UnB) Artur Trindade ressaltou que, na hora de apontar em quem vai votar, o eleitor pode dizer um nome sem ter a certeza de que não vai trocar de opção, o que pode ter impacto no resultado das urnas e nas pesquisas. “Houve mudanças socioeconômicas muito rápidas no país e pode ser difícil captar isso. Falta transparência no processo de amostragem”, reforçou o professor Paulo Calmon, do Instituto de Ciência Política da UnB.

Trindade, porém, destacou que a diferença entre as pesquisas e o resultado final não foi excessiva. Essas falhas ocorrem desde 1982, quando as sondagens passaram a ser usadas para tentar captar a decisão do eleitor. Um exemplo foi o resultado das eleições daquele ano para o governo do Rio de Janeiro. Na época, os institutos mostravam Leonel Brizola com 2% das intenções de votos e Moreira Franco na liderança. As urnas, entretanto, deram vitória a Brizola, com 34%, contra 30% de Franco. (GC e Paulo Silva Pinto)
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.