SIGA O EM

Em pronunciamento, Aécio faz aceno a Marina

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 06/10/2014 08:37 / atualizado em 06/10/2014 09:02

Agência Estado

São Paulo - No primeiro pronunciamento que fez depois de confirmada sua passagem para o 2.º turno, o candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, homenageou nesse domingo o ex-governador Eduardo Campos, morto em um acidente aéreo durante e campanha, e afagou Marina Silva, candidata do PSB que terminou o 1.º turno em 3.º lugar na disputa.

Os tucanos acreditam que o discurso mudancista da ex-ministra poderá levá-la a apoiar Aécio. No discurso após o resultado, em São Paulo, Marina fez o que foi interpretado como um aceno ao candidato oposicionista ao afirmar que os brasileiros mostraram nas urnas que não concordam com os rumos tomados pelo atual governo da presidente Dilma Rousseff (PT). "O Brasil deu sinais de que não quer mais o que está aí", disse Marina, sem citar nomes.

Em Belo Horizonte, o candidato do PSDB foi na mesma linha. Também sem citar Marina, afirmou: "É hora de unirmos forças. Minha candidatura não é de um partido político". Em 2010, quando disputou o Palácio do Planalto pelo PV, a ex-ministra preferiu se manter neutra no 2.º turno entre Dilma e José Serra (PSDB).

Nesse domingo, Aécio fez afagos explícitos à ex-ministra, mas disse que não tinha conversado com ela. O tucano reiterou os elogios feitos pela manhã, ao votar na capital mineira. "Tenho enorme respeito pessoal pela ex-ministra, mas não posso antecipar apoio."

O candidato do PSDB iniciou sua fala destacando os ideais de Campos. "Quero deixar uma palavra de homenagem a um homem público honrado, que foi abatido por uma tragédia no meio dessa campanha, o Eduardo. Seus ideais e seus sonhos têm a minha deferência", disse.

Interlocutores do tucano tentarão se aproximar de Renata Campos, viúva de Campos, para que ela faça uma ponte com a candidata do PSB. "Tenho um enorme respeito por ela (Renata), mas não tenho nenhum encontro marcado. Sou muito cauteloso em relação a isso", desconversou Aécio.

Programa


Apesar da sinalização, Marina disse que os partidos da coligação vão se reunir nos próximos dias para tomar uma decisão oficial. O anúncio deve acontecer até a próxima sexta-feira. "O programa é a base de qualquer diálogo neste segundo momento", afirmou.

Segundo ela, o documento que apresentou à sociedade - e que foi alvo de diversas críticas tanto de petistas quanto de tucanos - "é coerente com outro caminho, com outra maneira de caminhar".

O posicionamento de Marina, que foi filiada ao PT por mais de duas décadas, surpreendeu aliados mais próximos. Antes de a ex-ministra chegar ao local onde fez seu pronunciamento oficial, na zona oeste da capital paulista, a maioria apostava que ela anunciaria a neutralidade na disputa, a exemplo de 2010. 
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.