17°/ 29°
Belo Horizonte,
23/OUT/2014
  • (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Veja quais são as armas de cada candidato à presidência em 2014 Dilma tem o maior tempo na tevê. Aécio aparece em segundo. Eduardo Campos e Marina Silva precisam de alianças políticas

Publicação: 24/02/2013 00:12 Atualização: 24/02/2013 08:30

Paulo de Tarso Lyra, Karla Correia e Ivan Iunes

A eleição presidencial de 2014 começou na semana que passou, com eventos midiáticos, como a festa do PT em São Paulo, o discurso de Aécio Neves (PSDB-MG) no Senado, o encontro do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), com prefeitos, e o lançamento do novo partido de Marina Silva, o Rede Sustentabilidade, em Brasília. Mas disputas desse porte são decididas nos bastidores, com a definição das alianças políticas — que trarão tempo de tevê para os candidatos — e na montagem de palanques estaduais fortes para os presidenciáveis visitarem, fatores que só serão definidos no ano que vem.

No momento, a presidente Dilma Rousseff beneficia-se de uma ampla coligação, com 14 partidos no Congresso. Mas a negociação terá que ser pontual. Até o momento, apenas o PMDB está na chapa, indicando o vice-presidente Michel Temer. Reunidos, PT e PMDB somam 170 deputados, o que garante pouco mais de seis minutos e meio de tempo de tevê, de acordo com a legislação eleitoral.

Em segundo lugar, com quase três minutos e meio de tempo de televisão, surge o provável candidato do PSDB, Aécio Neves (MG), que tem confirmados em sua coligação o DEM e o PPS, totalizando 88 deputados. Os outros dois presidenciáveis enfrentam, no momento, cenários mais delicados. Eduardo Campos só conta com os deputados do próprio partido, o PSB: 26. Em situação pior está Marina Silva que tem até outubro para criar o Rede Sustentabilidade, com a promessa de filiar três deputados, o que garantiria apenas sete segundos no horário eleitoral.

Para além das parcerias já conhecidas, existe uma massa de 17 partidos que ainda definirão seus rumos. Juntos, eles têm a oferecer   os nada desprezíveis oito minutos e 53 segundos. Boa parte deles já está com Dilma e deve continuar — é o caso do PCdoB, que está ao lado do PT desde a eleição presidencial de 1989.

Flerte Quatro partidos que flertam atualmente com o Planalto podem, no entanto, desequilibrar essas forças: PSD, PR, PDT e PP. Coincidência ou não, as três primeiras legendas intensificaram, nas últimas semanas, conversas com Dilma e devem ser contempladas com ministérios ou um tratamento diferenciado na Esplanada. “O PSD, com certeza, marchará com Dilma em 2014. Mas o partido ainda está dividido sobre a vantagem de ter ou não um ministério neste momento”, afirmou o secretário-geral do PSD, Saulo Queiroz. Em conversas anteriores, ele já havia dito que a candidatura Dilma unifica a legenda, diferentemente do nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que enfrenta forte resistência no setor do partido ligado ao agronegócio, que tem como principal expoente a senadora Kátia Abreu (PSD-TO). Em conversas internas da legenda, a parlamentar — que tem uma ótima relação com a presidente Dilma — também tem dúvidas se é o momento de o PSD assumir um ministério.

O PR vive uma situação diferente. O partido está ao lado do PT desde 2003. Em 2011, o senador Alfredo Nascimento (AM) foi exonerado do Ministério dos Transportes sob acusações de superfaturamento em obras da pasta. Há duas semanas, Dilma chamou o próprio Nascimento e o líder do partido na Câmara, Anthony Garotinho (RJ), para avisar que gostaria de contar com a legenda em 2014. “Mas a senhora será candidata? Tem gente no PT que acha que o candidato será o Lula”, indagou Garotinho. “Vamos mudar de assunto, eu serei candidata”, respondeu ela. Na quarta-feira, Lula confirmou que a tarefa do PT é reeleger Dilma.

No PP, o ministro Aguinaldo Ribeiro tem prestígio no governo, mas as relações consanguíneas jogam incertezas sobre que rumo tomar. O presidente da legenda, senador Francisco Dornelles (RJ), é tio do pré-candidato do PSDB Aécio Neves. Em 2010, cogitou-se a possibilidade de ele ser vice do PSDB, caso Aécio fosse candidato. Os tucanos acabaram escolhendo José Serra. “A eleição de 2014 será devidamente tratada em 2014”, sintetizou Dornelles.

O secretário de organização do PT, Paulo Frateschi, lembra que quase todos os partidos aliados estiveram na festa petista. “E acho que estarão juntos conosco ano que vem, até o PSB. Eduardo é muito grande para contentar-se em participar para forçar a realização do segundo turno”, apostou. O secretário-geral do PSB, Carlos Siqueira, faz mistério. “Queremos conversar para fechar parcerias. Mas não podemos adiantar nada para não atrapalhar a estratégia.”

Mesma situação vive o PSDB, que não perde a esperança de que o bom trânsito de Aécio Neves entre os diversos partidos possa atrair legendas com PP, PR e PDT. “Mesmo assim, não temos a ilusão de chegar ao início do ano eleitoral disputando minuto a minuto o tempo de televisão com a presidente Dilma”, declarou o secretário-geral do PSDB, Rodrigo de Castro (MG).
Tags: celular

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: Mpm Assessoramento E Repres.ltda
Esses arranjos mostram apenas a realidade da "democracia de fachada" existente no País. Acordos, sempre espúrios, buscam somente mais tempo na TV, esta o verdadeiro cabo eleitoral para influenciar uma população já imbecilizada. Uma lástima, não há nada de democracia nisto, é pura briga pelo poder | Denuncie |

Autor: Paulo Barbosa
Até agora, serão muitas agressões, muitas promessas e pouca coisa de concreto,, para não falar nenhuma. Assim vamos sendo bombardeados por palavras e os grande problemas, como saúde, educação, segurança e infraestrutura, postergados para um futuro incerto e distante. Até quando? | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.