17°/ 34°
Belo Horizonte,
16/SET/2014
  • (5) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Aécio propõe elevação de royalties do minério Projeto de lei eleva alíquota, muda base de cálculo e pode quadruplicar a arrecadação de Minas com a Cfem, além de incluir municípios não produtores nos repasses de recursos

Paulo de Tarso Lyra

Publicação: 28/09/2011 06:00 Atualização: 28/09/2011 07:35

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) apresenta amanhã na Comissão de Infraestrutura do Senado um projeto de lei estabelecendo novas alíquotas para a exploração dos recursos minerais brasileiros. Pela proposta, a alíquota máxima da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (Cfem) sobe de 3% para 5%, especialmente para produtos como ferro, alumínio e cobre. O Cfem está para o setor de mineração assim como os royalties estão para o petróleo. Além disso, o senador mineiro defende que a compensação passe a incidir sobre o faturamento bruto e não o líquido, para diminuir os descontos inerentes à atividades de exploração mineral.

Sempre tendo como exemplo o setor petrolífero, o senador  cria uma participação especial, a ser paga pelas mineradoras para a exploração de jazidas de alta produtividade, com alíquotas variando de 1% a, no máximo, 2,5%. Propõe também a instituição de um fundo especial para beneficiar os municípios que não produzam minerais mas estejam em estados produtores.

Para Aécio Neves, a proposta corrige uma injustiça histórica

 (PAULO DE ARAÚJO/CB/D.A PRESS)
Para Aécio Neves, a proposta corrige uma injustiça histórica
A proposta de Aécio surge na brecha deixada pela indecisão do governo federal, que há três anos discute um novo marco regulatório para o setor de mineração e, até o momento, não encaminhou nenhuma proposta concreta ao Congresso Nacional. Com isso, quando a iniciativa da União chegar ao Parlamento, já haverá um parâmetro para discussão política do assunto. "Nós estamos querendo corrigir uma injustiça histórica, sobretudo em relação aos municípios e estados produtores de minerais", afirmou o senador tucano.

O senador do PSDB já discutia esse tema durante seus dois mandatos como governador de Minas Gerais (2003 a 2010). Ele lembra que o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, concorda com a necessidade de mudanças, mas até o momento não expôs quais as propostas do governo. O interesse de Minas na iniciativa é concreto: o estado é o maior produtor de minério, sobretudo de ferro, no país, com 48% da arrecadação do setor.

Em seguida vem o estado do Pará, com 28%, Goiás, com 5% e São Paulo, com 4%. Os demais 15% estão diluídos por diversas unidades da Federação. Caso o projeto seja aprovado, a arrecadação de Minas  com a Cfem praticamente quadruplicará. Atualmente, o estado arrecada com a compensação aproximadamente R$ 253 milhões por ano. Com a mudança nas alíquotas e na base de cálculo da cobrança, esses recursos iriam a R$ 1 bilhão.

Aécio encontrou um mecanismo para distribuir recursos para os municípios não produtores, mas que sejam de estados onde exista a atividade extrativista. Para isso, será criado um fundo especial, com alíquota de 8% incidente sobre toda a produção. Ele defende que, posteriormente, esses recursos sejam destinados à saúde e educação.

Para Aécio, a proposta é fundamental para compensar os danos ao meio ambiente causados pela exploração mineral.  "Além disso, dá condições para que esses municípios se preparem para o futuro, quando a exploração  for encerrada", defendeu.

Esta matéria tem: (5) comentários

Autor: cimon vilela
Porque o ex-governador não lutou para que siderúrgicas fossem construídas em MG. Por isso o estado apenas fornece a preço de banana milhões de toneladas de minério, enquanto o RJ lucra bilhões com o royiates do petroleo. | Denuncie |

Autor: Paulo Barbosa
Que tal o senador Aécio cobrar a construção de uma usina siderúrgica de uma empresa que assinou durante seu governo, um protocolo de instalação em Minas, mais precisamente em Congonhas e continua adiando e postergando o projeto tão essencial ao progresso mineiro. | Denuncie |

Autor: francys souza
Divina santidade! Quem criou a lei kandir, que adoça a boca das mineradoras foi o PSDB. A alíquota que Minas recebe por sua produção mineral, chega a ser covardia! Só a cidade de macaé arrecada mais que o estado de Minas Gerais inteiro! Lá no Canadá não tem essa mamata não! | Denuncie |

Autor: Edione Araujo
O Conterrâneo Senador Áecio não citou no projeto o ouro, lembrando que aqui em Paracatu tem a maior mina de ouro do Páis, que é explorado pelo canadá. Enquanto que os gringos levam todo o lucro deixando só migalhas p/o municipio, esse projeto c/ certeza vai beneficiar muito o nossa cidade. Muito Bom. | Denuncie |

Autor: Marcos Ricaldoni
Até que enfim um político apresenta uma proposta digna e necessária ao estado de MG e outros identicos produtores.Se o petróleo tem essa política, o minério deveria ter muito antes. Estamos atrasados a décadas!!!É justa e necessária essa proposta, ainda que tardia! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.