16°/ 29°
Belo Horizonte,
03/SET/2014

Vereadores do Ceará registram negociata em cartório e são presos

Agência Estado

Publicação: 01/06/2011 13:16 Atualização: 01/06/2011 13:15

A Polícia Federal prendeu nessa segunda-feira 19 suspeitos de envolvimento em um esquema de fraudes em licitações de obras públicas e contratação de assessores fantasmas no município de Ibaretama, no Ceará. Entre os presos estão dois vereadores e o secretário de Obras da cidade. A operação, denominada "Inselberg", contou com a participação do Tribunal de Contas dos Municípios e o Ministério Público Estadual (MPE).

Segundo o MPE, as denúncias sobre o esquema de fraudes partiram do ex-presidente da Câmara Municipal de Ibaretama, João Vieira Picanço. Ele havia feito um acordo, registrado em cartório, com os vereadores Francisco Oliveira Filho, Daniel Souza Lopes, Francisco Carliado de Almeida e José Maria Cunha. O grupo acertou que, em troca do apoio para se eleger presidente do Legislativo municipal, Picanço teria de pagar R$ 4,5 mil por mês para cada um deles, e cada vereador teria direito a um assessor “fantasma” que receberia um salário de R$ 900,00.

Picanço rompeu o acordo porque alegou não ter mais condições de pagar os R$ 4,5 mil para os colegas. Para o promotor Luiz Alcântara, o fato dos vereadores terem registrado o acerto em cartório é uma “manifestação patente da crença na impunidade”, uma vez que eles deram publicidade aos atos ilícitos praticados.

A operação também cumpriu 24 mandados de busca e apreensão. Os presos são acusados de formação de quadrilha, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro, licitações fraudulentas com desvio de dinheiro público, peculato e empréstimos consignáveis com comprometimento de até 90% dos vencimentos de alguns servidores. O esquema tem ramificações nos municípios de Fortaleza, Reriutaba e Quixadá. Ainda não há informação sobre o valor desviado.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Brasil Calcados Industria E Comercio Ltd
Antigamente, o roubo do dinheiro público acontecia e ninguém ficava sabendo. Hoje pelo menos, a sujeira está saindo debaixo do tapete, e os órgãos públicos demonstram um certo empenho. Falta agora considerar o roubo do dinheiro público como crime hediondo e imprescritível. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.