SIGA O EM

Justiça restabelece prisão domiciliar a ex-médico Roger Abdelmassih

A decisão foi confirmada por advogados do ex-médico. Assim, quando ele deixar o hospital, vai cumprir a pena em casa

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1141910, 'arquivo_grande': '', 'credito': ' Secretaria nacional de Antidrogas do Governo Paraguai', 'link': '', 'legenda': 'O ex-m\xe9dico est\xe1 internado no Hospital Albert Einstein, na zona oeste de S\xe3o Paulo ', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2017/08/13/891556/20170813153614676351i.jpeg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 13/08/2017 15:13 / atualizado em 13/08/2017 15:38

Agência Estado

 Secretaria nacional de Antidrogas do Governo Paraguai

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) aceitou o pedido de habeas corpus e devolveu o direito de ficar em prisão domiciliar a Roger Abdelmassih, de 73 anos, condenado a 181 anos de prisão pelo estupro de 37 mulheres. Enviada à imprensa pela defesa do ex-médico, a decisão foi emitida no início da tarde deste domingo, mesma data em que o pedido foi protocolado pelos advogados Antonio Celso Galdino Fraga e João Marcos Vilela Leite. A assessoria de imprensa do TJ-SP não foi encontrada para confirmar a decisão.

Na sexta-feira, 11, Abdelmassih havia perdido o direito à prisão domiciliar, de acordo com decisão da juíza Sueli Zeraik Armani, da 1ª Vara de Execuções Criminais, de Taubaté (SP), por causa da falta de tornozeleiras eletrônicas no Estado de São Paulo. O contrato com a empresa que fornecia o equipamento foi rompido na quarta-feira, 9, pelo governo do Estado.

Na decisão emitida neste domingo, o desembargador plantonista Ronaldo Sérgio Moreira da Silva afirma que Abdelmassih não pode ser "penalizado" por uma "deficiência ou falha estrutural do Estado de São Paulo". "Os fatos indicam que não houve descumprimento por parte do paciente das condições estabelecidas na decisão que lhe concedeu prisão domiciliar, em virtude do seu grave estado de saúde - daí o caráter humanitário da medida -, de modo que, ao menos à primeira vista, parece constituir contrassenso ser penalizado em defluência de situação não criada por ele", escreveu.

Com a decisão, o ex-médico só poderá sair de casa para realizar tratamento médico e hospitalar ou com prévia autorização judicial. Desde segunda-feira, ele está internado no Hospital Albert Einstein, na zona oeste de São Paulo, para tratar uma infecção bacteriana identificada no sistema urinário. Segundo a defesa, a permanência do ex-médico no hospital é "imprescindível".
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
jose
jose - 13 de Agosto às 20:58
Como deve sr bom fazer parte da turminha de bandidos protegida por esse judiciário porcaria que só pensa em preservar e aumentar os seus privilégios e suas mordomias.... até quando a sociedade que trabalha e produz vai continuar a sustentar essa cambada de vagabundos!!!!!!
 
Helena
Helena - 13 de Agosto às 17:30
Por isso, a Justiça brasileira é desacreditada. Eles sempre beneficiam os políticos e autoridades corruptas.