SIGA O EM

Família curitibana acusa Starbucks de racismo após filha ser confundida com pedinte

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1137556, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Wikipedia ', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2017/07/25/886371/20170725122121946364e.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 25/07/2017 09:01 / atualizado em 25/07/2017 12:21

Agência Estado

Wikipedia

 

Os pais de uma menina negra de 11 anos afirmam que a filha sofreu discriminação racial na loja Starbucks do bairro Jardins, na zona sul de São Paulo, no dia 15. Segundo Jorge e Tatiane Timi, a garota, que é adotada, foi confundida com uma pedinte por um funcionário.

A situação teria acontecido depois que a menina saiu do banheiro. Um dos seguranças teria pedido que ela se retirasse da loja.

"Nossa filha nasceu do nosso coração e você não imagina a dor que sentimos com esta atitude de racismo e preconceito. O segurança pegou no braço da nossa filha e disse que ela tinha de sair e que o lugar não admite pedintes", disse Tatiane, em entrevista à rádio Banda B, de Curitiba. "Imagine como nossa pequena ficou. Em choque, não conseguia se mexer."


Os pais da menina, que moram no Paraná e passavam um fim de semana na capital paulista, se revoltaram e chamaram a polícia para registrar ocorrência. Além disso, acionaram advogados para entrar com ação criminal por racismo e injúria racial contra a empresa.

Pelo Facebook, Jorge Timi, agradeceu à Polícia Militar pelo atendimento. "Não podemos tolerar a discriminação racial em nosso País", escreveu. Segundo Tatiane, a filha ainda está assustada com o episódio e se pergunta o tempo todo por qual motivo fizeram isso com ela. "Estamos tentando distraí-la, mas ela está com dificuldades para dormir e comer."

'Incidente'

Segundo os pais, a Starbucks fez contato e lamentou o "incidente". "Incidente é quando você queima a língua no café quente. Isso é racismo. Vamos até as últimas consequências. E para que isso não se repita que estamos divulgando o caso agora", disse Tatiane.

A empresa se manifestou dizendo que a acusação é série e será investigada. "Se existe, por parte da família, o sentimento de que a experiência não foi agradável, sem dúvida alguma nós não atingimos o que era esperado e, por isso, estamos realizando uma apuração completa do ocorrido", informou, em nota. A Starbucks reiterou compromisso com a "diversidade e inclusão" e disse não tolerar "qualquer desvio desses valores e princípios".

As informações são do jornal

O Estado de S. Paulo.

(João Abel, especial para o Estado)

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Thales
Thales - 25 de Julho às 15:40
Ahhhhh.... que mimimi, que q tem ser pedinte?????