SIGA O EM

Fundador da Gol, Nenê Constantino é condenado por homicídio no DF

Constantino foi condenado por homicídio qualificado e corrupção de testemunha, com pena de 16 anos e seis meses de prisão e multa de R$ 84 mil

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1121900, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Cadu Gomes/CB/D.A Press - 28/3/07', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2017/05/12/868495/20170512124220582831e.jpg', 'alinhamento': 'right', 'descricao': ''}]

postado em 12/05/2017 12:35 / atualizado em 12/05/2017 12:44

Agência Brasil

Cadu Gomes/CB/D.A Press - 28/3/07

O Tribunal do Júri de Taguatinga, no Distrito Federal, condenou o empresário Constantino de Oliveira, de 86 anos, conhecido como Nenê Constantino, pelo assassinato do líder comunitário Márcio Leonardo de Sousa Brito, de 27 anos, em 12 de outubro de 2001. O julgamento terminou à 1h30 desta sexta-feira.

Fundador da empresa aérea Gol e pioneiro no ramo de transportes rodoviários, Constantino foi condenado por homicídio qualificado e corrupção de testemunha, com pena de 16 anos e seis meses de prisão e multa de R$ 84 mil. O dono da arma usada no homicídio, João Alcides Miranda, foi condenado pelos mesmos crimes e pegou 17 anos e seis meses de prisão e 12 dias-multa.

Vanderlei Batista foi condenado a 13 anos de prisão por homicídio qualificado e João Marques, ex-funcionário de Constantino, pegou 15 anos também por homicídio qualificado.

Todos foram condenados ao regime fechado, mas poderão recorrer da decisão em liberdade.

O empresário Victor Bethonico Foresti, acusado de corrupção de testemunha, foi absolvido pelo júri.

Márcio Brito foi morto a tiros, em 2001, por causa da disputa de um terreno. Ele representava um grupo que ocupava um terreno da Viação Pioneira, uma das companhias de propriedade de Constantino, em Taguatinga.

O julgamento do empresário foi iniciado em 20 de março chegou a ser adiado e foi retomado na última segunda-feira (8). Em 2015, Constantino foi absolvido da acusação de tentativa de homicídio duplamente qualificado contra o ex-genro, Eduardo Queiroz Alves.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Leonardo
Leonardo - 12 de Maio às 13:42
Brasil o país da IMPUNIDADE. O cara tem 86 anos e vai recorrer em liberdade, ou seja, os advogados vão protelar por mais 10 anos aguardando o defunto entrar no caixão....