SIGA O EM

Vila Isabel abre o segundo dia de desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 999716, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Cristina Indio do Brasil/Ag\xeancia Brasil', 'link': '', 'legenda': 'A Unidos de Vila Isabel, com enredo sobre Miguel Arraes, vai abrir o segundo dia de desfiles das escolas de elite do Rio de Janeiro ', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/02/08/732623/20160208203909986502o.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 08/02/2016 20:31 / atualizado em 08/02/2016 20:44

Agência Brasil

Cristina Indio do Brasil/Agência Brasil

Seis escolas de samba completam nesta segunda (8) os desfiles do Grupo Especial do Rio de Janeiro. Elas vão disputar os pontos dos nove quesitos que terão as notas conhecidas na quarta-feira (10), durante a apuração na Praça da Apoteose.

O sol forte por volta das 19h não impediu que o público começasse a ocupar as arquibancadas do Sambódromo para ver o espetáculo de escolas de grandes torcidas e ainda as duas com o maior número de campeonatos, como a Portela (21) e a Mangueira (17).

A primeira agremiação a entrar na Avenida Marquês de Sapucaí será a Vila Isabel, escola da zona norte, que exaltará o centenário de Miguel Arraes, o pai Arraia. A Vila mostrará a história do cearense, que fez sua vida política em Pernambuco. O enredo Memórias de Pai Arraia. Um sonho pernambucano, um legado brasileiro foi sugerido pelo cantor e compositor Martinho da Vila, que também é um dos autores do samba-enredo.

A comissão de frente será um dos destaques a Vila. A coreografia é de Jaime Arôxa, que, pelo segundo ano consecutivo, será responsável por um dos quesitos que a cada ano provoca mais curiosidade do público.

Jaime Arôxa, que também é professor de dança, lembrou que, para criar uma coreografia, não se pode esquecer que um desfile é uma obra em movimento, com momentos diferentes entre a apresentação dos jurados, espalhadas por toda a extensão da avenida e o público que estará nos intervalos entre cada uma.

A segunda escola a se apresentar será o Salgueiro. Com o enredo A Ópera dos Malandros, desenvolvido pelos carnavalescos Renato e Márcia Lage. A vermelho e branco da Tijuca transformará a Marquês de Sapucaí em uma malandragem só. Os diferentes tipos vão do samba miudinho para apresentar a obra em seis atos, passam pelo faceiro que entra na roda e ainda o que “vai flanando triunfal por entre deuses e meretrizes, rainhas e monarcas…”.

Sem esquecer o mestre-sala das alcovas, o bailarino dos salões, o cavaleiro errante dos morros cariocas e o filósofo das mesas de bar. O fim do desfile será dedicado à fé e aos pedidos de paz. Os personagens estão no texto preparado pelos carnavalescos para apresentação do enredo.

A São Clemente, com o enredo Mais de mil palhaços no salão, será a terceira escola a entrar na Passarela do Samba nesta segunda-feira. A carnavalesca Rosa Magalhães, que coleciona sete títulos de campeã com o Império Serrano, Imperatriz Leopoldinense e Vila Isabel, promete ocupar todos os espaços com palhaços, que levarão alegria ao Sambódromo.

O fim do desfile terá também um momento de crítica e reflexões. A carnavalesca, também professora de Belas Artes, destacará o movimento estudantil dos jovens caras-pintadas, em 1992. Ela lembrou que, à época, muitos deles usavam chapéu de bobo da corte nas manifestações. As críticas se estenderão em um panelaço e deve chamar atenção do público neste setor do enredo.

Já na madrugada de terça-feira (9), a Portela será a quarta escola na Marquês de Sapucaí. O enredo No voo da Águia, uma viagem sem fim mostrará a viagem do símbolo da azul e branco, a águia, em uma grande viagem pela história da humanidade e pela imaginação dos viajantes no deserto, em florestas sombrias e geleiras, além da procura por mundos perdidos e a busca por tesouros. Não esquecerá da cobiça e da ambição do homem.

As duas últimas a desfilar na Sapucaí devem empolgar com enredos que trarão astros da música brasileira para a avenida. Na Imperatriz, a homenagem à dupla sertaneja Zezé Di Camargo e Luciano no enredo É o Amor... Que mexe com minha cabeça e me deixa assim... – Do sonho de um caipira nascem os Filhos do Brasil destacará diversos aspectos da história dos músicos e vai misturar samba com sertanejo.

O carnavalesco Cahê Rodrigues informou que o enredo vai passar por Pirenópolis, em Goiás, cidade em que Zezé começou a carreira, transformar o irmão deles Emival, morto aos 11 anos, em um anjo caipira que guarda a família Camargo e destacar no desfile os pais da dupla, Francisco e Helena.

Um carro, que entrará no terceiro setor do enredo, será decorado com 180 violões, que, após o desmonte da alegoria, serão doados por Zezé e Luciano a várias instituições ligadas ao ensino da múnsica.

A outra escola é a Mangueira. Com o enredo Maria Bethânia, a Menina dos Olhos de Oyá, a escola homenageará a cantora, que completou 50 anos de carreira. O carnavalesco Leandro Vieira, estreante no Grupo Especial, disse que o enredo é um prazer para ele que há tempos alimentava o desejo de desenvolver o projeto sobre Bethânia. Ele revelou que mais que contar a história da carreira da cantora, queria mostrar uma arte brasileira presente nos trabalhos da artista.

O samba-enredo da escola que encerrará os desfiles da elite do carnaval carioca é apontado como um dos melhores da safra de 2016. Na quadra da escola, era um dos atrativos nos ensaios da etapa que antecederam até o primeiro fim de semana de fevereiro. A cantora virá em um carro com as afilhadas, as gêmeas Nina e Júlia, de 12 anos. Para a cantora, a homenagem da verde e rosa é tão grande que ela preferiu creditar à sua orixá de proteção o motivo da honraria.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600