SIGA O EM

Salgueiro referencia Ópera dos Malandros na Marquês de Sapucaí

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 998990, 'arquivo_grande': None, 'credito': 'Cristina Indio do Brasi/Ag\xeancia Brasil', 'link': '', 'legenda': 'Carnavalesco Renato Lage critica esquema de julgamento dos desfiles das escolas de samba do Grupo Especial', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/02/06/732126/20160206114742367594a.jpg', 'alinhamento': 'right', 'descricao': ''}]

postado em 06/02/2016 11:43

Agência Brasil

Cristina Indio do Brasi/Agência Brasil
Os Acadêmicos do Salgueiro ao entrar na segunda-feira (8), na Marquês de Sapucaí, na Passarela do Samba vai ser uma malandragem só. A escola vai referenciar na avenida a Ópera dos Malandros que tem lugar para todos.

O malandro que samba miudinho para apresentar a obra em seis atos, “o tipo que entra faceiro na roda, abre o jogo e fecha com os seus” o que “vai flanando triunfal por entre deuses e meretrizes, rainhas e monarcas…”. Tem, ainda, o mestre-sala das alcovas, o bailarino dos salões, o cavaleiro errante dos morros cariocas, “o pensador dos botequins, filósofo das mesas de bar!”, e para encerrar o malandro “de fé, que fecha o corpo e abre os caminhos ao próprio destino”. Todos esses personagens estão no texto de apresentação do enredo e desfilarão na Sapucaí.

Na avaliação do carnavalesco, Renato Lage, que há 13 anos está no Salgueiro, nunca houve no carnaval carioca a situação de ter uma entidade espírita concedendo um patrocínio para uma escola, como ocorre este ano com o Salgueiro.

“Não é o seu Zé Pilintra, e sim, o seu Rei da Ginga, o malandro mineiro de seus 500 anos que queria participar desta festa pagã que tem tudo a ver com ele. O samba, a malandragem e ele está bancando isso em uma visão mais poética. A gente não critica ninguém, não faz crítica política, nem social do malandro, desses políticos malandros. A gente fala do malandro poético”, explicou.

Nos últimos quatro anos, a escola conquistou três vice-campeonatos. Para o diretor de carnaval, Dudu Azevedo, parte desse desempenho se explica com a manutenção da equipe. Essa para ele, também é uma característica das escolas que hoje brigam no carnaval e mantêm o seu patamar.

“Quanto tempo se vê a mesma equipe na Beija-Flor? A escola passa ano e entra ano e abocanha um título. A Tijuca também. Hoje a manutenção da equipe é um fator preponderante para disputar o carnaval e o Salgueiro não muda o carnavalesco há 13 anos, eu estou aqui há cinco anos. O casal de mestre-sala e porta-bandeira vai para o terceiro ano, os intérpretes estão há sete anos. Então, a manutenção da equipe é o segredo para a gente brigar no carnaval. A gente já se entende. É um time que já joga junto”, avaliou.

Dudu Azevedo contou que no barracão, o Salgueiro tem uma equipe fixa com profissionais contratados com carteira assinada. “A gente tem um grupo aqui de faxineiros, almoxarife, secretária e pessoas da área administrativa que a gente mantém o ano inteiro com carteira assinada. Acaba o carnaval a gente começa a desmontagem, dá férias coletivas para todos de um mês e já volta se preparando para o carnaval do ano seguinte”, revelou.

Tanto Renato como Dudu, acreditam que está na hora da escola conquistar o campeonato. Mas o carnavalesco não concorda com o sistema de notas para os quesitos. Para ele, o julgamento é muito subjetivo e as justificativas dos jurados para os pontos dados não provocam qualquer reflexão. “O parâmetro para mim não tem lógica. Não vejo, para mim, não soma nada. Não vai mudar a nossa postura positiva de fazer um trabalho coerente. Não vai mudar nada. \Pelo contrário, só vai me deixar chateado dentro da roupa”, avaliou.

Para os dois também o desenvolvimento do enredo ocorreu exatamente da forma como o carnavalesco tinha projetado. “Não diminuímos em nada o nosso carnaval, nós buscamos soluções. A gente tinha grandes parceiros, por exemplo, parceria grande com uma madeireira. E aí fomos buscar o melhor do melhor preço. Se tivesse que ir no interior de São Paulo para trazer uma carreta de madeira a gente foi buscar. A crise fez também com que outras lojas trouxessem melhor preço”, adiantou Dudu.

Segundo Dudu, o Salgueiro trabalha muito para os ensaios na quadra, mas até nesre aspecto foi um ano muito difícil. “O Salgueiro sempre teve eventos às terças e às sextas e não adiantava a gente ter toda sexta, porque o povo não tinha dinheiro para ir a todos esses dias na quadra. Então teve que buscar as datas melhores para fazer eventos e aí sim, a quadra ter arrecadação”, analisou.

Alas de comunidade


O diretor disse que das 3.700 fantasias, cerca de 2.500 são dadas pela escola e o restante são de alas comerciais. A maior parte de fantasias para a comunidade é uma estratégia que as escolas estão usando para garantir mais comprometimento dos componentes e assegurar quesitos como evolução e harmonia.

“O Salgueiro quer ser campeão. Nós planejamos o carnaval para sermos campeões, nos orçamos o carnaval para sermos campeões, e com toda crise, o Renato fez um projeto onde a gente buscou recursos com trabalho e com o dinheiro que a gente tinha. O malandro batuqueiro vai passar na avenida”, completou Dudu.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600