Indígena que esperava gêmeos dá à luz quatro meninas

Parto natural aconteceu na casa da família. Ultrassom havia mostrado apenas duas crianças

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 01/09/2014 17:49 / atualizado em 01/09/2014 18:11

Agência Estado

O casal indígena Odair Cândido, de 32 anos, e Denir Campo Cândido, 37, teve uma surpresa na noite do dia 28 de agosto, quando, em vez de gêmeas, a mãe terena deu à luz quatro meninas. As contrações começaram na própria quinta-feira, na casa da família em Anastácio, a 135 Km da capital de Mato Grosso do Sul, Campo Grande. O parto das quatro meninas foi realizado de forma natural.

O exame de ultrassom detectou apenas duas crianças e, por isso, os pais sequer suspeitavam que a gravidez poderia ser de quadrigêmeas. "Levamos um susto. O ultrassom não viu que eram quatro bebês", disse o pai. Apesar do susto, ele afirma que está feliz. "Nunca ia imaginar de ter quatro meninas assim, de uma vez. Mas estou contente e alegre sim".

Além das quatro meninas recém-nascidas, Odair e Denir ainda têm outros seis filhos, sendo que quatro - todas meninas de 12, 10, 7 e 4 anos - ainda moram com o casal. Os outros dois, de 14 e 19 anos, não dependem deles. As quadrigêmeas Eliza, Elizabete, Elisângela e Elizete devem ficar internadas pelos próximos quatro meses, apesar de estarem em perfeito estado de saúde. Três estão na Maternidade Cândido Mariano, onde nasceram, e uma no Hospital Regional, porque não havia mais leito neonatal para abrigar uma das pequenas na unidade em que nasceram.

O casal é natural da Aldeia Água Branca, no distrito de Taunay, em Aquidauana. Mas há oito meses estão assentados no Assentamento Nova Esperança, em Anastácio. Odair é diarista em fazendas da região e recebe R$ 1,2 mil ao mês. Denir não trabalha para poder cuidar das filhas. Eles estão recebendo doações de roupas e alimentos. Quem quiser ajudar, deve procurar a Maternidade Cândido Mariano ou um dos pais.
Tags:
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.