20°/ 35°
Belo Horizonte,
20/OUT/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Degradação na Amazônia foi reduzida nos últimos 3 anos

Levantamento mostra que taxa na Amazônia Legal em 2013 caiu quase cinco vezes em dois anos

Agência Estado

Publicação: 22/08/2014 19:37 Atualização: 22/08/2014 20:22

Assim como o desmatamento, a taxa de degradação florestal na Amazônia vem caindo nos últimos anos, de acordo com dados divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) nesta sexta-feira, 22. De acordo com o mapeamento, que se refere aos anos de 2011, 2012 e 2013, áreas de 24.650 km², 8.634 km² e 5.434 km², respectivamente, apresentam algum estágio de degradação na Amazônia Legal.

O levantamento foi feito pelo projeto Degrad, sistema do Inpe que mapeia áreas que estão expostas à degradação florestal progressiva, pela exploração predatória de madeira, com ou sem uso de fogo, mas que ainda não foram completamente desmatadas. O sistema analisa as mesmas imagens de satélite utilizadas pelo projeto Prodes, também do Inpe, que monitora o corte raso da floresta.

Embora tenha sido lançado em 2007, o projeto Degrad não havia divulgado até agora os números de 2011 a 2013. Segundo o Inpe, o Degrad é uma ferramenta importante para os órgãos de prevenção e combate ao desmatamento, pois permite intervenções em áreas cuja cobertura florestal ainda não foi completamente suprimida e convertida em outros usos como pastagem e culturas agrícolas.

De acordo com análise do Inpe, a taxa de conversão dos dados da degradação florestal para o corte raso no período 2007 a 2013 foi baixa. A análise dos dados também permitiu concluir, segundo o Inpe, que a ocorrência de fogo na região amazônica influencia diretamente na degradação florestal.

De acordo com os dados, a degradação florestal apresenta clara correlação com a quantidade de queimadas detectadas a cada ano, entre 2007 e 2013, pelo sistema de monitoramento de queimadas por satélites operado pelo Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) do Inpe.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.