20°/ 27°
Belo Horizonte,
21/OUT/2014
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

É preciso repensar educação, defende diretor do SENAI


Agência Estado

Publicação: 19/08/2014 13:37 Atualização: 19/08/2014 14:40

São Paulo, 19 - O diretor geral do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), Rafael Lucchesi, defendeu durante o Fórum Estadão Competitivo, nesta terça-feira, 19, em São Paulo, que é preciso repensar o sistema educacional brasileiro para adaptá-lo às mudanças pelas quais a sociedade vem passando.

De acordo com ele, só com essas transformações o País terá trabalhadores mais qualificados e, com isso, aumentará a produtividade, considerada muito baixa em relação a outros países do mundo. Em sua avaliação, é preciso educar melhor, em larga escala e a baixo custo.

Entre as mudanças, ele defendeu que a escola precisa assegurar o diálogo, mas com firmeza de propósito à meritocracia. Segundo ele, é preciso ajustar a estrutura curricular à necessidade da juventude. "Tem que dialogar com as novas formas de comunicação. Hoje, 90% dos alunos estão nas redes sociais", afirmou. Ele destacou ainda que é preciso assegurar a formação e capacitação dos professores, indo além de uma agenda só de aumento de salários, e implantar planos de gestão, para expandir a qualidade para todas as escolas brasileiras.

Em sua fala, Lucchesi elogiou o Pronatec, avaliando como o mais bem-sucedido programa do governo na área de educação. Ao mesmo tempo, criticou o programa Educação de Jovens Adultos (EJA), que, para ele, é a maior "tragédia", com mais de 80% de evasão. "Precisamos repensar essa educação. Flexibilizar estruturas engessadas", defendeu, acrescentando que é preciso adaptar o sistema educação também à mudança demográfica.

O diretor avaliou que o País precisa ter a ambição de estabelecer a educação como desejo de mudança central. Segundo ele, atualmente, existe apenas um único grupo de pressão que atua fortemente na escola, que são aquelas pessoas que trabalham nelas, o que acaba criando uma visão extremamente corporativista. "Há uma renúncia de participação das famílias, da imprensa, dos políticos, mas isso é responsabilidade nossa. Se queremos mudar esse jogo, temos de discutir a escola no centro do debate nacional, sem pressão ou ufanismo", disse.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: SERGIO DOURADO
Educação é um projeto de nação,veja o q houve c a Coreia do Sul,recém saída de uma guerra civil e hoje um exemplo de tecnologia avançada...Aqui é uma elitizinha podre q n privilegia educação do povo,mas só de suas crias... Assim fica esse paiseco do inferno sempre rabeando pra crescer uma miséria... | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.