Movimentos sociais protestam contra violência policial em SP

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 11/07/2014 09:37

Agência Brasil

Uma manifestação pelo fim da violência policial contra os movimentos sociais interrompeu o trânsito em frente à Secretaria de Estado de Segurança Pública de São Paulo (SSP) na noite dessa quinta-feira. Concentrados no Largo São Francisco, centro da capital, militantes de diversos movimentos sociais acabaram conseguindo uma reunião com a assessoria do secretário, Fernando Grella. Participaram do ato a Central de Movimentos Populares, o Centro de Direitos Humanos – Gaspar Garcia, a Frente de Luta por Moradia e a União dos Movimentos de Moradia da Grande São Paulo e Interior.

Uma comissão de dez ativistas apresentou à secretaria sete casos em que, segundo os movimentos, houve excesso na ação policial. “A gente precisa definitivamente mudar os padrões da Polícia Militar (PM), principalmente no que diz respeito aos grupos mais vulneráveis: famílias sem-teto, população em situação de rua. Pessoas que às vezes precisam do apoio da polícia e são violentadas e agredidas”, ressaltou Benedito Barbosa, advogado do Centro Gaspar Garcia.

Barbosa foi agredido ao prestar assistência a famílias despejadas em uma reintegração de posse na Rua Aurora, centro paulistano, no último dia 25. “Cheguei por volta das 7h. A conselheira tutelar me informou que as famílias estavam sendo agredidas pela polícia, porque as portas estavam sendo derrubadas e tudo mais. Eu fui na porta para tentar entrar no local. Eles disseram que eu não ia entrar. Quando eu me dirigi até a porta, para entrar, eles me pegaram pelo pescoço, num mata-leão”, relatou. A agressão contra o advogado foi um dos casos que motivaram o protesto de hoje.

No encontro, ficou acertada uma nova reunião para segunda-feira (14) onde serão estabelecidos os termos para uma audiência pública em que os problemas serão discutidos não só com Grella, mas também com o comando da PM. “Porque passar só com o secretário acaba virando só uma conversa. O pessoal quer que a decisão chegue na ponta, porque entre o discurso e a ponta tem muita contradição”, explicou o militante do Centro Gaspar Garcia, Luiz Kohara.

A garoa e o frio fizeram com que o coletivo Se Não Tiver Direitos, Não Vai Ter Copa cancelasse outro protesto marcado para acontecer na Praça Roosevelt, também no centro, na noite de hoje. A manifestação iria cobrar a libertação de Fábio Hideki e Rafael Marques, presos em um protesto contra os gastos para realização da Copa do Mundo no dia 23 de junho.

Tags:
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.