13°/ 24°
Belo Horizonte,
24/JUL/2014
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Viúva de Amarildo está desaparecida há 10 dias no Rio

Felipe Castanheira

Publicação: 10/07/2014 12:01 Atualização: 10/07/2014 12:49

Elizabete Gomes não é vista por familiares desde o dia 30 de junho (Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press. Brasil)
Elizabete Gomes não é vista por familiares desde o dia 30 de junho

A viúva do pedreiro Amarildo Dias de Souza, Elizabete Gomes da Silva, de 38 anos, está desaparecida há dez dias. Segundo relatos da família, ela saiu de casa, na Favela da Rocinha, na zona sul do Rio de Janeiro no dia 30 de junho e não foi vista desde então. O desaparecimento ocorre na véspera do dia em que a morte de Amarildo completaria um ano, na segunda-feira 14 de julho.

"De um tempo para cá, ela começou a falar muito do meu tio. Voltou a usar drogas e a beber muito. Ela saiu de casa e não disse para onde estava indo. A gente está rezando muito para que não tenha sido a polícia. Não vamos achar que foi isso nesse momento", disse a sobrinha de Bete, Michele Lacerda.

João Tancredo, advogado de Elizabete e Presidente do Instituto de Defensores de Direitos Humanos, acredita que o sumiço esteja ligado ao alcoolismo e a depressão causada pela morte de Amarildo, que foi agravada pela proximidade da data em que o assassinato completa um ano. De acordo com ele, os filhos do casal fizeram contatos com os pais de Elisabete e com outros familiares que moram fora do Rio de Janeiro, mas ninguém havia feito contato com ela. A família já procurou pela viúva em hospitais e no Instituto Médico Legal (IML), sem sucesso.

Entretanto Tancredo não descarta a possibilidade do desaparecimento estar ligado ao assassinato de Amarildo, já que tanto Elizabete quanto os filhos do pedreiro receberam ameaças e foram alvos de ações arbitrárias por parte da PM.

Os três filhos caçulas de Bete, Milena, de 7 anos, Alisson, de 11, e Beatriz, de 13, estão aos cuidados do irmão mais velho, Anderson, de 22, e de uma tia. Milena é a que está mais abalada. "Ela pergunta se a mãe vai desaparecer, como aconteceu com o tio Amarildo", disse Michele.

Com informações da Agência Estado

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Facioedino oliveira
Voltou a usar drogas e a beber muito. Ela saiu de casa e não disse para onde estava indo. A gente está rezando muito para que não tenha sido a polícia. (palavras da sobrinha). Falavam que era pessoa direita, trabalhadora sem vício. Usa drogas então; Tomara que apareça p/ não culpar a PM e a Sociedade | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.