20°/ 27°
Belo Horizonte,
21/OUT/2014
  • (9) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Obras para evitar rodízio de água em São Paulo somam R$ 160 milhões

Agência Estado

Publicação: 07/07/2014 08:19 Atualização: 07/07/2014 09:04

Construção de diques e a compra de bombas flutuantes para captar o 'volume morto' do Cantareira custaram cerca de R$ 80 milhões (REUTERS/Roosevelt Cassio )
Construção de diques e a compra de bombas flutuantes para captar o "volume morto" do Cantareira custaram cerca de R$ 80 milhões

Na tentativa de evitar o racionamento de água oficial na Grande São Paulo, a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) já gastou cerca de R$ 160 milhões com obras para suprir a histórica crise de estiagem do Sistema Cantareira. Cerca de 65% das despesas ocorreram em contratos sem licitação, prática permitida por lei em casos de emergência ou de calamidade pública.

É o caso da construção de diques e da compra de 17 conjuntos de bombas flutuantes para a captação inédita de água do "volume morto" do Cantareira nas Represas Jaguari-Jacareí, em Joanópolis, e Atibainha, em Nazaré Paulista, que custaram cerca de R$ 80 milhões. A operação começou no dia 15 de maio e a previsão é de os 182,5 bilhões de litros adicionais represados abaixo do nível das comportas da Sabesp dure até novembro. Até ontem, a concessionária já havia retirado 43,4 bilhões de litros da reserva profunda, ou 23,7% do total.

Outros R$ 80 milhões estão diluídos em uma série de intervenções feitas pela companhia para remanejar água de outros sistemas produtores para regiões da capital abastecidas pelo Cantareira. O socorro começou no início do ano com 1,1 mil litros por segundo revertidos do Sistema Guarapiranga para os bairros Jabaquara, Vila Olímpia, Brooklin e Pinheiros, nas zonas sul e oeste da capital, e outros 2,1 mil litros do Sistema Alto Tietê para Penha, Ermelino Matarazzo, Cangaíba, Vila Formosa e Carrão, na zona leste.

Para fazer o remanejamento, que tirou inicialmente cerca de 1,6 milhão de pessoas do consumo do Cantareira, a Sabesp teve de instalar novas adutoras, aumentar as vazões de estações elevatórias e de tratamento de água e ampliar as unidades de bombeamento. Segundo a companhia, foram essas obras que resultaram nos "cortes pontuais" de abastecimento que deixaram diversos imóveis sem água nos últimos meses.

Com o agravamento da crise do Cantareira, em maio, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) anunciou que a reversão de água dos sistemas Rio Grande (500 litros por segundo) e Rio Claro (200 litros por segundo) e mais 1.500 litros adicionais do Alto Tietê e do Guarapiranga a partir deste mês. Dessas obras, o remanejamento de água do Rio Grande para abastecer cerca de 150 mil pessoas custou R$ 26,5 milhões e também foi feito sem licitação. Para 2015, a Sabesp pretende ampliar mais 2.200 litros do Rio Grande e outros 1.500 litros do Guarapiranga. Em nota, a companhia afirma que todos os contratos feitos sem licitação "seguem todos os procedimentos previstos na Lei de Licitações - 8.666/1993".

Esta matéria tem: (9) comentários

Autor: SERGIO DOURADO
Tudo sem licitação... Esperam a vaca ir pra o brejo pra falarem de "emergência"... canalhas... | Denuncie |

Autor: SERGIO DOURADO
A crise não é dos sistema cantareira,é do sistema política de péssimos gestores...O país desperdiça em torno de 40% da água disponível:isso é crise é da natureza,é seca!? kk | Denuncie |

Autor: SERGIO DOURADO
O Brasil tem um índice inaceitável de desperdício de água,perto dos 40%,enquanto no Japão é algo em torno de 3%!Isso é um absurdo completo e falta de dinheiro n é,pois pra Copa tem bilhões,pra Delta e outras empresas de fachada se tem bilhões desviados,mas pra consertar um cano n tem obra!?Aí eu hein | Denuncie |

Autor: SERGIO DOURADO
A SABESP recebeu milhões pra fazer investimentos de manutenção e afins nas redes de água,mas enfiou o dinheiro no ... q agora os paulistas estão sofrendo!Esse MP,TC e outras "instituições sólidas" do país tem q acordar pra suas funções constitucionais...Parece tudo "normal",mas é tudo CRIME,QUADRILHA | Denuncie |

Autor: SERGIO DOURADO
Vê-se q n há sequer menção de melhorar a gestão da água!É mais fácil despejar mais milhões nos bolsos dos ratos de sempre... | Denuncie |

Autor: SERGIO DOURADO
Dispensam licitação como se fosse emergência mas uma emergência q dura meses,anos,décadas!?Aí é descaso puro,gestão temerária,merece é multa e n mais regalia!E os mesmos q causam os problemas são os mesmos q saem ganhando no final e o povo só toma o rabo! | Denuncie |

Autor: SERGIO DOURADO
Preferem perder quase metade da água em encanamento furado e mau conservado do q investir em rede de água e tratamento de esgoto.. Mas nesse país do improviso e da roubalheira arrombada é só isso q se vê:gestão temerária... Esse país precisa de reformas urgentes:no poder e na consciência do povo... | Denuncie |

Autor: SERGIO DOURADO
Enquanto isso a SABESP recebeu outros milhões pra fazer investimento na manutenção da rede de água e nada foi aplicado,gerando mais desperdício de água nesses canos velhos de sempre q desperdiçam perto de 40% de toda água de SP!PURA TEMERIDADE!! É ASSIM Q ESTAMOS SENDO COMANDADOS POR QUADRILHAS! | Denuncie |

Autor: Marcos Pimenta
Se comparados à copa, os gastos são pequenos, levando em consideração que o objetivo é dos mais nobres. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.