Para Cardozo, padrão de segurança na Copa é excelente

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 02/07/2014 13:01

Agência Estado

Brasília, 02 - O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou que "um grande evento sempre tem problemas", após ser questionado sobre a prisão de cambistas que operavam com ingressos para jogos da Copa do Mundo.

"Um grande evento sempre tem problemas. Muita gente quer ver os jogos e não tem lugar para todo mundo. Isso atrai a presença de pessoas que querem praticar atos ilícitos e ganhar com isso", disse. Cardozo acrescentou que a polícia brasileira está "mostrando sua eficiência".

"Temos contato permanente com a Fifa e um diálogo diário para darmos excelente padrão de segurança para a Copa do Mundo", disse. "O que é importante dizer é que o padrão de segurança da Copa do Mundo está excelente. Efetivamente coloca essa Copa num patamar que muitos duvidavam."

Maranhão

Questionado sobre a terceira morte em 48 horas no presídio de Pedrinhas, no Maranhão, Cardozo disse que o governo federal tem buscado colaborar com o Estado no que se refere ao sistema prisional. "Muitas das iniciativas que indicamos têm sido adotadas. Estamos num processo e ainda há coisa a se fazer e melhorar", afirmou.

O ministro participou na manhã de hoje de cerimônia de assinatura de um compromisso para promover a prevenção e a redução de litígios, por parte de governo, bancos e empresas de telefonia. Segundo ele, a medida, que tem o objetivo de reduzir a quantidade de processos nos tribunais, beneficia tanto as empresas quanto os consumidores. "Quando tenho consumidor satisfeito, tenho um mercado que flui muito melhor para todos", disse.

Cardozo destacou que haverá uma redução nos gastos, tanto de empresas quanto dos gastos públicos. "A própria empresa evita gastos com demandas judiciais que às vezes são elevados. Então essas iniciativas são boas para todos: governo, empresa e cidadãos. São menos gastos judiciais e menos gastos público", disse. "A ideia é evitar judicialização mas garantir que direito lesado seja reparado."