21°/ 32°
Belo Horizonte,
02/SET/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Alerj discute medidas para prevenir dengue e apoiar agentes de saúde

Agência Brasil

Publicação: 30/06/2014 11:59 Atualização:

A Comissão Especial pelo Cumprimento das Leis da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) discute em audiência pública, na tarde de hoje (30), medidas para prevenir a dengue e outras endemias no estado. O debate ocorre em defesa da regularização da atividade dos agentes comunitários de saúde e dos agentes de combate às endemias, popularmente conhecidos como mata-mosquitos. Participam do encontro representantes das prefeituras, médicos e integrantes do Ministério Público Estadual.

A audiência foi solicitada pelo Sindicato dos Trabalhadores no Combate às Endemias e Saúde Preventiva no Rio de Janeiro (Sintsaúde/RJ), que busca apoio dos deputados da Alerj para que seja cumprida a Lei Federal 11.350/2006. O texto dispõe sobre o piso nacional e as diretrizes para a regulamentação das atividades de agente comunitário de saúde e agente de combate às endemias. A categoria vai apresentar propostas ao presidente da comissão, deputado Carlos Minc (PT), e ao Ministério Público Estadual.

De acordo com Minc, é importante criar uma cultura de prevenção no Brasil, e alguns municípios já começaram a treinar profissionais. "Os agentes sanitários e os agentes de saúde, que já foram no passado chamados de mata-mosquitos, foram praticamente extintos. Recentemente a presidenta Dilma Rousseff assinou um decreto restituindo vários pontos importantes dessa categoria”, disse. “A prevenção da dengue e de outras doenças transmitidas por vetores é o melhor caminho", completou.

Diversos municípios da Baixada Fluminense, como o de Duque de Caxias, têm treinado os profissionais para essa atividade tão importante, destaca o deputado. O objetivo agora é levar a prevenção para cidades que ainda não praticam as ações. "Vários municípios criaram, concursaram ou legitimaram agentes de saúde e de prevenção dessas endemias, outros não. Então, nós também chamamos o Ministério Público, os prefeitos, para que as consequências dessa audiência sejam a extensão e o aprofundamento do trabalho de prevenção, inclusive com a contratação e treinamento."

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.