19°/ 34°
Belo Horizonte,
30/SET/2014
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Em campo, as profissionais do sexo faturam durante a Copa Em plena Copa do Mundo, elas superam as dificuldades do idioma e investem nos visitantes para aumentar a renda. Programas são feitos sempre à noite

André Shalders

Braitner Moreira - Correio Braziliense

Lorrane Melo

Publicação: 23/06/2014 07:33 Atualização:

Em Salvador, na orla de Itapuã, os estrangeiros não escondem a preferência pelas travestis  (Daniel Ferreira/CB/D.A Press)
Em Salvador, na orla de Itapuã, os estrangeiros não escondem a preferência pelas travestis

Brasília – Equipes de reportagem do Diários Associados acompanharam, na semana passada, a rotina da prostituição em quatro das 12 cidades-sede da Copa do Mundo. Em muitas delas, o poder público até tentou disfarçar e retirou as garotas de programa dos pontos habituais, mas o mercado do sexo também tem prosperado nesses dias de Mundial. Mantidos bem longe das suntuosas arenas erguidas para o espetáculo do futebol, homens, mulheres, travestis e transsexuais enfrentam as dificuldades do idioma decorando frases e usando mímicas e até sonham em ir embora com visitantes do hemisfério Norte. Para alguns, a Copa não alterou a dureza da labuta noturna. “Está a mesma coisa” foi a resposta mais frequente ouvida pela reportagem em Brasília. Outros tentam tirar proveito: “Tinha quem cobrasse o valor de um ingresso da Copa. Agora, voltamos ao normal”, contou uma travesti de Fortaleza (CE).

As experientes do Porto Manaus – Em hotéis baratos, nos quais o termo pernoite faz muito mais sentido do que diária, se constrói boa parte do cenário da prostituição na capital do Amazonas durante a Copa do Mundo. No centro de Manaus, as mulheres sumiram das ruas vigiadas pelas forças de segurança. Dividiram-se, então, em três grupos. As mais jovens passaram a atender marcando horário pela internet. As mais experientes acabaram exiladas perto do porto local. A maioria delas, porém, se dispersou por ruas mal iluminadas e bordéis distantes.

Tal divisão geográfica se reflete nos rendimentos. Para aquelas que apostam em fotos produzidas para a web, o “cachê” parte de R$ 250 por noite — com adicionais a depender do serviço. O valor, normalmente, fica mais barato quando o Rio Negro se aproxima. A caminho do porto, “half hour is fifty reais”: 30 minutos, R$ 50. O turista leva no pacote “o mais tradicional mesmo”. Com um alerta irredutível. “Half hour plus one minute is hundred reais”, decoram, para repetir a cada potencial cliente. Se o tempo não as perdoa, não há motivo para tratá-lo com alguma consideração.

Depois das 19h, na região portuária, parece impossível encontrar uma mulher com menos de 30 anos. Quase todas estão longe da melhor forma física, apostam em algum detalhe loiro nos cabelos — “do jeito que o gringo gosta”, dizem — e dispensam a boa educação quando se deparam com turistas brasileiros. Afinal, mesmo ali, alguns sonhos permanecem vivos: ser levada para a Europa ainda é meta da maioria.

Na missão de “arrumar um gringo para cuidar” enquanto lutam “pela Copa do 13º (salário) adiantado”, se comunicam como podem. Com mímica, descontos e, dependendo do sorriso e da falta de aliança do outro lado, até apostam no serviço gratuito. “Começa assim a fidelidade”, explica uma amapaense de 32 anos que deixou o marido para colocar todas as fichas no sonho do Velho Continente via Copa do Mundo. E que, hoje, faz planos para julho: arrumar emprego “de garçonete ou alguma coisa assim aqui em Manaus”, para não ter de voltar para casa. (BM)

O "algo a mais" no Pelourinho Salvador
 

Distante não mais que 1km do Pelourinho, elas se amontoam na calçada. De short, saia, vestido e cabelos longos. Mulheres que decepcionam os clientes ao mostrarem que são… mulheres. Ao lado dos policiais, carros param e, antes mesmo de perguntarem o preço, querem saber se elas têm o “algo a mais” tão procurado na orla de Salvador. É lá que as travestis fazem ponto, quando já está escuro e alguns postes de iluminação falham. Salto alto — difícil de encontrar por causa do tamanho — enfeitado com fitas do Senhor do Bonfim para proteção. Verde-amarelo para agradar os turistas.

Os estrangeiros não escondem a preferência por travestis. Claro, há os que se confundem e acabam levando o que não queriam. “Não sou de fazer barraco, mas ainda bem que ele entendeu que havia me tirado do meu ponto e, por isso, deveria me pagar”, conta uma mulata de cabelo blond, cheia de curvas. Difícil notar algo de diferente no short justo. Mais difícil ainda se comunicar. “Dinheiro, money. Aceito dólar, sim.”

Poucas se arriscam durante o dia. Saem só quando o encontro é marcado na internet e o cliente aceita ir a um motel perto da casa delas. “Brasileiro tem medo da gente”, conta uma, que havia saído com dois italianos na noite anterior. “Eles são românticos, é muito ‘mio amore’. Mas são demorados, a gente acaba perdendo muito tempo”, relata, dizendo que nem sempre o programa mais longo é o que rende mais. Os estrangeiros, dizem, podem até ter mais dinheiro do que os brasileiros, mas também são os que mais choram (alguns literalmente) por desconto. Ou falam, na cara dura: “Só tenho trenta”. Este, elas acham que era francês.

O preço de uma esquina acompanha o da outra, para não haver “concorrência”. “Cinquenta, in the car”, ou mais, caso o cliente tenha alguma fantasia. Elas juram que não inflacionaram os preços por causa da Copa do Mundo. O movimento, no fim, compensa. Já apareceu até iraniano e neozelandês, que elas arriscam dizer que não estão no Mundial. Porque no torneio, assim como na rua, nem todo palpite é certeiro. (LM)

Trabalho reprimido na orla
Depois de receber o terceiro jogo da Copa do Mundo, Fortaleza comemora antecipadamente os ganhos financeiros. A realidade se espelha nas casas noturnas. Donos de boates que exploram o turismo sexual comemoram “o melhor mês da história”. Para as prostitutas nas ruas, porém, as condições não são tão agradáveis. Setecentos agentes públicos se dividem em esquema de plantão para combater a prostituição. Tão logo começou o torneio, o foco se tornou “limpar” a orla da cidade. O desânimo é comum para quem não está nos bordéis à espera de algum dos 400 mil visitantes previstos. Afastadas da Avenida Beira-Mar, onde estão os principais hotéis, a maioria das mulheres reclama de prejuízo. O preço do programa começou inflacionado, mas teve de diminuir. “Tinha quem cobrasse o valor de um ingresso da Copa. Agora, voltamos ao normal”, conta uma travesti de 21 anos e 1,83m. (BM)

Tags:

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Carlo Oliveira
Pelo menos alguém está batendo um bolão.... kkkkkk ....noticia completamente desnecessária... | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.