19°/ 31°
Belo Horizonte,
02/OUT/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Coquetéis molotov são jogados na Câmara de São Paulo

Agência Estado

Publicação: 13/06/2014 09:01 Atualização: 13/06/2014 10:15

Três estrondos foram ouvidos ontem (12) de manhã ao lado da Câmara Municipal, no centro de São Paulo. Segundo a assessoria militar da Casa, havia três coquetéis molotov no terreno vizinho ao Palácio Anchieta. Ninguém se feriu. As explosões ocorreram por volta das 7h, quando o prédio estava vazio - os próprios vereadores decretaram feriado na cidade ao aprovar projeto de lei encaminhado pelo prefeito Fernando Haddad (PT).

A perícia esteve no local e abriu inquérito para investigar o caso, que foi registrado no 1.º DP (Sé). Nenhum suspeito de atirar o artefato havia sido identificado ontem. Em nota, a assessoria de imprensa da Câmara de Municipal informou que as explosões não provocaram danos materiais. Desde o ano passado, quando se intensificaram as manifestações contra o aumento da passagem de ônibus e a realização da Copa do Mundo no Brasil, a Câmara investiu em aumentar a segurança do prédio. Foi gasto mais de R$ 1,2 milhão na instalação de grades na entrada principal e vidros blindados.

A medida foi tomada pelo presidente da Casa, José Américo (PT), após aval dos integrantes da Mesa Diretora. Em dias comuns, passam pelo prédio cerca de 4 mil pessoas. No último ano, o prédio da Câmara sofreu ao menos três tentativas de invasão. Em uma delas foram registrados quatro tiros.

Sem-teto

Na terça-feira, quando o Brasil enfrenta o México, em Fortaleza, o funcionamento na Câmara deve ser normal. A sessão ordinária, marcada para às 15h, está mantida, mas deve ser encurtada para que os demais funcionários sejam liberados para assistir a partida.

Antes mesmo do próximo jogo da seleção brasileira, a Câmara deve enfrentar mais um protesto. A coordenação do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) anunciou que pretende levar 15 mil pessoas para a sede do Legislativo na segunda-feira, quando estão marcadas as primeiras discussões sobre a versão final do projeto que vai estabelecer o Plano Diretor.

O movimento vai cobrar dos vereadores o compromisso de classificar como uma Zona de Interesse Social (ZEI) o terreno onde hoje existe a ocupação Copa do Povo, em Itaquera, na zona leste. O governo federal já garantiu à entidade que vai viabilizar no local a construção de 2 mil casas. Para isso, é preciso alterar o texto atual do novo Plano Diretor, que hoje classifica a área como industrial.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.