Copa: empresário é suspeito de golpe de R$ 3 mi

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 10/06/2014 21:19

Agência Estado

São Paulo, 10 - A Polícia Civil do Paraná pediu nesta terça-feira, 10, a prisão preventiva de um empresário do Rio suspeito de aplicar um golpe de mais de R$ 3 milhões com ingressos para jogos da Copa do Mundo que não foram entregues a agências de turismo e consumidores em pelo menos quatro Estados. Fábio Luis Lemos Cajuhy, proprietário da DMX Tours, foi denunciado por donos de agências em Cascavel, no interior do Paraná, e em Mato Grosso do Sul. Ele não havia sido localizado pela polícia nem pelos compradores dos ingressos até a noite de ontem. Às vésperas do jogo de abertura, ninguém tem notícia dos bilhetes.

Segundo o delegado adjunto da 15.ª subdivisão, Pedro Fernandes de Oliveira, Cajuhy havia também prometido fazer os transfers dos turistas entre hotel, estádio e aeroporto nos dias de jogos. Mas, conforme a data do início do Mundial se aproximava, o empresário passou a adiar a data de entrega dos ingressos. A Justiça do Paraná concedeu uma liminar na semana passada para bloquear as contas de Cajuhy e de sua empresa, a pedido de uma agência de Cascavel, a Edo Tur, que vendeu R$ 607 mil em pacotes para clientes de diversas cidades. “Eles foram protelando a entrega. Primeiramente, para janeiro, depois para março, abril, maio, até chegar junho”, diz a empresária Suely Frare, de 52 anos.

Quando percebeu que poderia não receber as entradas para os jogos, a maioria para a abertura e para a final da Copa do Mundo, Suely procurou outras agências para saber se era a única nesta situação. Como o empresário já havia honrado compromissos em outros campeonatos, ninguém acreditava na possibilidade de calote. Os donos da Edo Tur agora estão vendendo carros e imóveis para levantar dinheiro e ressarcir os clientes.

O casal foi ao Rio na sexta-feira, procurar a sede da empresa, em Copacabana, na zona sul da cidade. Cajuhy, porém, não foi achado. Por telefone, uma empresária de Mato Grosso do Sul, que também teria sido vítima do calote, sugeriu um encontro com Cajuhy em um hotel no Rio, para lhe entregar R$ 40 mil, mas ele não apareceu.

Estelionato.

A polícia apurou que a DMX Tours não é credenciada pela Fifa para vender ingressos para os jogos do Mundial. Ainda segundo a investigação, o empresário pode ter enganado clientes também no Nordeste, e não há ainda a dimensão do tamanho do calote. Além de Paraná e de Mato Grosso do Sul, são investigadas fraudes em São Paulo e no Rio. Cajuhy foi indiciado por estelionato e crime contra a economia popular. A reportagem tentou contato com ele, sem sucesso.
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.