18°/ 28°
Belo Horizonte,
23/NOV/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Na Copa, cidades sede poderão contar com 3 mil militares

Agência Estado

Publicação: 10/06/2014 19:31 Atualização:

Rio, 10 - Cerca de 3 mil militares estarão prontos para atuar como força de contingência em cada cidade sede da Copa, caso haja pedido dos governadores, disse nesta terça-feira, 10 o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, general José Carlos De Nardi. Ele afirmou que militares da Polícia do Exército ficarão aquartelados perto dos estádios e, se acionados, usarão munição considerada "não-letal".

Do total de R$ 1,17 bilhão investido pelo Ministério da Justiça na segurança da Copa, R$ 70,2 milhões foram gastos na compra de armamentos desse tipo para as 12 cidades sede. Em todo o País, mais de 180 mil profissionais estarão envolvidos no esquema de segurança do Mundial, entre PMs, militares, agentes privados e de inteligência, que deverão trabalhar infiltrados junto a torcedores. Segundo o secretário de Grandes Eventos do Ministério da Justiça, Andrei Rodrigues, até o momento houve dois casos de torcedores estrangeiros que foram impedidos de entrar no Brasil: um argentino, por orientações do governo do país vizinho, e um norte-americano, que constava do banco de dados da Interpol.

Abin.

O diretor-adjunto da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Ronaldo Belham, disse que as informações de 300 mil pessoas cadastradas pela Fifa para participar da Copa estão sob análise. Caso seja detectado algum tipo de problema, caberá à entidade decidir se vetará ou não o credenciamento. Na entrevista, Belham afirmou que 7 das 32 delegações que participação da Copa estão classificadas no "grau máximo" de segurança, entre elas a dos Estados Unidos. "A delegação dos EUA não é a primeira, mas está entre as sete primeiras", disse o representante da Abin, sem revelar o ranking.

Perguntado sobre a previsão da Marinha em relação ao uso do terraço de prédios residenciais no entorno do Maracanã para o posicionamento de artilharia antiaérea durante o Mundial, o general De Nardi afirmou que o governo "dará prioridade ao uso de prédios públicos" no controle aéreo do estádio. O Estado revelou ontem que a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) recusou pedido feito pela Marinha para posicionar mísseis na cobertura do prédio da instituição durante a Copa.

O general disse que as forças de contingência deverão ser formadas por homens da Polícia do Exército. Em média, cada cidade sede receberá 3 mil homens, mas no Rio o contingente deverá ser maior, podendo chegar a 5 mil. Se acionada, a tropa ficará responsável pela segurança no entorno dos estádios. Como prevê a legislação, só atuará após pedido dos governadores. Após oferta da presidente Dilma, militares já atuam em aeroportos, hotéis em que delegações estão hospedadas, rotas protocolares e centros de treinamento.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.