20°/ 35°
Belo Horizonte,
01/OUT/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Alckmin ameaça demitir e pede volta de grevistas Metroviários decidiram manter greve apesar de decisão da Justiça

Agência Estado

Publicação: 08/06/2014 21:19 Atualização: 08/06/2014 22:27

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) fez neste domingo (8) à noite uma convocação para que os grevistas voltem ao trabalho sob pena de demissão por justa causa caso mantenham a greve. Alckmin disse que o governo terá medidas austeras e afirmou que vai acionar a polícia para assegurar a segurança dos usuários a partir desta segunda-feira (9).

“Quero fazer uma convocação: que os metroviários voltem imediatamente a trabalhar. Porque a greve é abusiva. Não tem mais o que discutir. Decisão judicial se cumpre”, disse o governador depois de participar de uma reunião de emergência para discutir com o secretário estadual de Transportes, Jurandir Fernandes, medidas de contingência à paralisação.

“Aliás, quero deixar claro que quem não for trabalhar incorre em possibilidade de demissão por justa causa.” O tucano atribuiu a greve a um “grupo radical” do sindicato e criticou a participação de outros movimentos à paralisação dos metroviários. Alckmin se referia ao Movimentos dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e ao Movimento Passe Livre(MPL), que pretendem organizar atos alinhados aos dos grevistas. O sindicato dos metroviários é filiado à Central Sindical Popular (CSP-Conlutas), ligada a setores do PSol e do PSTU.

“A greve é mantida por um grupo pequeno de radicais. E está cheio de outros grupos que não têm nada a ver com os metroviários. Estão se aproveitando de uma situação”, afirmou Alckmin. “Não vão subjugar nem o metrô e nem desrespeitar a decisão judicial.”

Auxiliares do governador afirmam que a manutenção da greve reforça tese sobre ter motivação política. Para o governo, é impedir que a paralisação dos metroviários prejudique o funcionamento do metrô na semana de abertura da Copa do Mundo. Caso o movimento continue, a estratégia do governo será reforçar o regime de trabalho instalado na semana passada, quando três das cinco linhas operaram parcialmente.

O Estado apurou que os metroviários que exercem funções burocráticas seriam usados para vender passagens e dirigir os trens da linha 3-Vermelha, que liga o centro da cidade à Arena Corinthians no dia do jogo do Brasil contra a Croácia.

Antes de saber da decisão dos grevistas de manter a paralisação considerada abusiva pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT), Alckmin havia afirmado que não havia chance de a greve continuar. Para ele, já era “um absurdo verdadeiro” o descumprimento da liminar condedida pela desembargadora Rilma Aparecida Hemérito, que determinava a manutenção de 100% de funcionamento do metrô nos horários de pico e 70% nos demais horários.

Questionado se após a decisão do TRT, ainda haverá negociação com a categoria, Alckmin ponderou que “sempre existe o diálogo, agora tudo tem um limite”. “No fundo foi um prejuízo para a população que ficou sacrificada, porque o metrô responde por quase 4,8 milhões de passageiros/dia.”
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.