13°/ 24°
Belo Horizonte,
24/JUL/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Metrô de SP diz que não mudará propostas e mantém impasse TRT tenta propor meio termo entre as partes negociantes, mas administradora e metroviários não chegam a acordo e greve continua

Agência Estado

Publicação: 06/06/2014 18:31 Atualização: 06/06/2014 18:44

Estação amanhece fechada em São Paulo (MIGUEL SCHINCARIOL/AFP)
Estação amanhece fechada em São Paulo

A audiência de conciliação entre o Metrô e seus funcionários no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), em andamento nesta sexta-feira, 6, segue sem avanço. O Metrô já informou que não mudará as propostas apresentadas. Visivelmente irritado, o presidente da empresa, Luiz Antonio Carvalho Pacheco, chegou a afirmar: "não vamos ficar de joelhos aos desejos do sindicato".

Carvalho Pacheco afirmou ainda que pela primeira vez em 45 anos a Polícia Militar foi acionada para tirar grevistas de uma estação, o que classificou como "constrangedor". O relator do processo, desembargador Rafael Pugliese, pediu ao Metrô para ser mais flexível e reavaliar a proposta de reajuste de 9,5% feita pelo próprio tribunal. A companhia insiste em 8,7% e o sindicato pede 12,2%.

Mais cedo, o secretário-geral do Sindicato dos Metroviários, Alex Fernandes, disse que a entidade está determinada a ir "até as últimas consequências", apesar das ameaças de demissão feitas pelo secretário estadual dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, em decorrência da greve. O sindicalista também questionou a legalidade do envio de telegramas por parte do governo do Estado convocando os trabalhadores paralisados a voltarem ao serviço.

"Não houve nenhuma demissão até o presente. A categoria não está assustada com essa possibilidade, porém o Metrô está pressionando as pessoas a voltar para o trabalho. Estamos vendo como proceder de uma forma legal, judicialmente, porque entendemos é um ataque ao direito de greve a forma como o Metrô está se posicionando", afirmou.

Apoio

Uma funcionária do metrô em greve entrou em um dos vagões para explicar aos passageiros o motivo da paralisação dos funcionários. A greve começou nesta quinta-feira, 5, e afetou 3,9 milhões de usuários do Metrô. Parte dos trens voltou a circular a partir de um plano de contingência usado pela empresa.

Em vídeo divulgado nas redes sociais, a funcionária pediu o apoio da população à categoria, que reivindica reajuste salarial: "queremos o apoio de vocês porque estamos com vocês todos os dias, passando sufoco".

A funcionária diz que a categoria não quer ir contra a população. Ela explica que os metroviários propuseram abrir as catracas, mas a ideia não foi aceita pela empresa e esclarece como os trens foram colocados em funcionamento, apesar da greve dos metroviários: "quem está operando o trem não são operadores de trem, são pessoas da administração", afirma.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.