Abastecimento de água no semiárido pode piorar, diz ANA

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 04/06/2014 15:37

Agência Estado

Brasília, 04 - O presidente da Agência Nacional de Águas (ANA), Vicente Andreu Guillo, sugeriu nesta quarta-feira, 4, que pode haver um agravamento da seca no semiárido nordestino este ano. Ao participar de audiência das Comissões de Meio Ambiente (CMA) e Infraestrutura (CI), Guillo também citou estratégias que têm sido discutidas com o governo de São Paulo para evitar o racionamento de água na região.

Segundo o presidente da ANA, quase 50% dos reservatórios localizados no semiárido contam hoje com menos de 30% da capacidade. "Há uma situação que merece um acompanhamento de toda sociedade brasileira, pela sua gravidade, no semiárido. Os reservatórios não foram plenamente recuperados", afirmou.

Guillo destacou que a situação no semiárido tende a se agravar caso as previsões meteorológicas se confirmem. "Os órgãos de previsão meteorológica têm apontado da formação do El Niño, que tem como consequência mais direta a não ocorrência de chuvas no semiárido. Se o El Niño vier a se formar, pode significar que teremos um 2014, 2015 no semiárido brasileiro com ausência de chuvas, o que demandaria aí um cuidado ainda muito maior por parte de todos os atores envolvidos, sejam municipais, estaduais ou federal", avaliou.

Cantareira

O presidente da ANA também disse considerar grave a situação no complexo de reservatórios Cantareira, que abastece a região metropolitana de São Paulo. Ele explicou que, se a decisão do governo for a de não fazer racionamento, apostando em chuvas na região no final do ano, e não chover o necessário, a água será insuficiente e terá de ser utilizado mais ainda do volume morto do reservatório.

"Temos apresentado a proposta de que a nossa retirada do Sistema Cantareira tem que ser uma função da quantidade de água que chega. Se chega mais água, você pode retirar 21 m3/seg ou mais. Porém, se continuar até novembro o fenômeno meteorológico climático de chegada de água muito menor, precisaremos reduzir a quantidade de água ofertada de tal maneira a chegarmos a esses 50 milhões de metros cúbicos em novembro", destacou Guillo.
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.