Mesmo com escolta, poucos ônibus circulam em Salvador

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 28/05/2014 11:31

Agência Estado

Salvador, 28 - Mesmo com a garantia de escolta da Polícia Militar para evitar atos de vandalismo, celebrada ontem em um acordo entre a Prefeitura de Salvador e o governo da Bahia, poucos ônibus deixaram as garagens das empresas nesta quarta-feira, 28, no segundo dia de paralisação do sistema de transporte rodoviário em Salvador.

Até as 7 horas, nenhum dos cerca de 2,5 mil ônibus da frota municipal ônibus era visto na cidade. Os trabalhadores que foram até os pontos na esperança de que houvesse transporte tinham à disposição apenas os 300 micro-ônibus cedidos pela Prefeitura, na maioria dos casos superlotados, e vans de transporte alternativo. Apesar disso, o trânsito nas principais ruas e avenidas da cidade era melhor que o registrado habitualmente no horário.

Por volta das 7 horas, alguns ônibus começaram a deixar as garagens, em comboios de cinco veículos e escoltados pela PM. Um dos grupos, porém, resolveu voltar à garagem logo depois da primeira viagem. Os motoristas alegaram sofrer ameaças de futuras retaliações, por parte dos colegas, durante o trajeto.

A ausência dos ônibus na cidade contraria uma determinação do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), que na segunda-feira obrigou o Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários do Estado da Bahia (Sintroba) a garantir a presença nas ruas de pelo menos 70% da frota nos horários de pico e de 50% no restante do dia, durante a paralisação, sob pena de multa ao sindicato de R$ 100 mil por dia. Para garantir o pagamento da multa, o TRT também determinou, no fim da tarde de ontem, o bloqueio da conta bancária do sindicato.
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.