17°/ 29°
Belo Horizonte,
23/OUT/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Sem reajuste de 2 dígitos, metroviários de SP ameaçam parar Sindicato pediu aumento de 35%, mas gestora oferece apenas 5,2%

Agência Estado

Publicação: 26/05/2014 19:01 Atualização: 26/05/2014 19:46

O presidente do Sindicato dos Metroviários de São Paulo, Altino de Melo Prazeres Júnior, afirmou nesta segunda-feira, 26, que, diferentemente de anos anteriores, a categoria não aceitará propostas de reajuste salarial de menos de dois dígitos e que os funcionários estão dispostos a decretar greve se a negociação não avançar nesse sentido. Os trabalhadores pedem 35%, mas o Metrô, que é controlado pelo governo do Estado, sinalizou inicialmente com 5,2%, o que não cobriria nem a inflação segundo boa parte dos indicadores econômicos.

Nesta terça-feira, às 18h30, a categoria se reunirá em assembleia para decidir o dia da paralisação. O mais provável é que ela ocorra no dia 3 de junho, mas não está descartada a hipótese de deflagração antes ou depois dessa data, até mesmo na semana seguinte, a da abertura da Copa do Mundo, com um jogo entre as seleções de Brasil e Croácia no dia 12, no Estádio Itaquerão, na zona leste, acessado preferencialmente de metrô e trem.

De acordo com Prazeres Júnior, a paralisação dos motoristas e cobradores de São Paulo na semana passada exerceu influência nos metroviários. A mobilização dos rodoviários ocorreu mesmo após um reajuste salarial da categoria de 10%, quase o dobro do que foi ofertado pelo Metrô a seus empregados. A direção sindical cobra que as tratativas da campanha salarial sejam, pela primeira vez, direto com o governador Geraldo Alckmin (PSDB) e não com a administração do próprio Metrô, que, de acordo com eles, não tem autonomia suficiente para ampliar as contrapropostas. "Este ano não vai ser no tribunal (que a situação terá um desfecho)", disse o presidente da entidade. "O governo mesmo só entra para discutir quando a gente está em greve. Já não bastam promessas que não se cumprem", afirmou o secretário intersindical dos metroviários, Sérgio Renato da Silva Magalhães.

O sindicato aventou ainda a disposição da categoria de abrir as catracas no dia da greve, para não prejudicar a população. "Toda vez que a gente fez o desafio da catraca livre em troca da greve, o governo do Estado disse que tem problema de segurança. Mas está cheio de PM no Metrô, então é um problema de vontade política. O governo está realmente preocupado com todo o mundo que vai usar o metrô ou não?", disse Prazeres Júnior.

Intimidação

Em coletiva de imprensa realizada na sede do sindicato, Prazeres Júnior falou ainda sobre a intimação que recebeu na última sexta-feira para depor na 1ª Delegacia Seccional, no centro. A unidade da Polícia Civil, também controlada pelo governo do Estado, investiga a paralisação dos motoristas e cobradores e queria saber se Prazeres Júnior tinha algum vínculo com o ato. "Não tive envolvimento nenhum, embora apoiasse o movimento dos rodoviários. Tratou-se de uma tentativa de criminalizar os movimentos sociais, mas não vamos nos intimidar." Ainda segundo Magalhães, alguns funcionários já receberam cartas da empresa, intimidando-os a não se vincular ao movimento grevista. O sindicalista também reclamou que a empresa não valoriza a política de carreiras e que é comum jovens empregados saírem em busca de outras oportunidades.

Morte

Durante a entrevista, os sindicalistas denunciaram a morte de um trabalhador terceirizado da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) na madrugada do dia 14 de maio. Sérgio Spadotto, que tinha 49 anos e era terceirizado, morreu atropelado por um caminhão, que estaria irregular e com as lanternas desligadas entre as Estações Granja Julieta e Santo Amaro, na Linha 9-Esmeralda, na zona sul. Segundo Prazeres Júnior, trata-se da sexta morte por atropelamento de funcionário na rede da CPTM desde 2011.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.