16°/ 30°
Belo Horizonte,
24/OUT/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Engenheiro mecânico cria máquina de extrair a amendoa de babaçu

Douglas Cunha - O Imparcial

Publicação: 25/05/2014 11:42 Atualização:

João Batista dos Santos Oliveira, engenheiro mecânico da Uema, decidiu desenvolver uma máquina de fatiar babaçu
 (O Imparcial)
João Batista dos Santos Oliveira, engenheiro mecânico da Uema, decidiu desenvolver uma máquina de fatiar babaçu
Depois de realizar pesquisas e observar as dificuldades enfrentadas pelas quebradeiras de coco babaçu, João Batista dos Santos Oliveira, engenheiro mecânico pela Universidade Estadual do Maranhão, decidiu desenvolver uma máquina que facilitasse esse procedimento. Ele foi motivado por Bernhard Eckner, cidadão de nacionalidade alemã, que lhe procurou e apresentou um projeto “faraônico” que desejava materializar no interior do Maranhão, com o propósito de extrair 30 toneladas/mês, do endocarpo do babaçu (casca), cuja produção seria utilizada por indústrias que operam como caldeiras e também para exportar para o seu país de origem.

A máquina foi criada por João Batista, porém o projeto não vingou por falta de logística para o fornecimento da matéria prima, mas ideias ficaram na cabeça do engenheiro que deu continuidade às pesquisas com viagens pelo interior do estado e até mesmo em outras unidades da federação, observando máquinas rudimentares já existentes, que não satisfaziam as necessidades e passou a desenvolver o projeto de uma máquina aperfeiçoada.

Assim foi feito. João Batista criou um complexo de máquinas que realiza a extração de todos os produtos que o coco babaçu contém, como, por exemplo, a casca (13%), cuja fibra serve para a elaboração de ração para animais e adubo apropriado para a produção de hortaliças. Esta unidade é chamada desfibrilizadora. Ela também extrai o mesocarpo (polpa), que utilizado como alimento e dotado de propriedades terapêuticas.

Outra unidade anexa com maior potência de força motriz procede à quebra do coco, possibilitando a separação do endocarpo das amêndoas. O endocarpo serve como combustão para caldeiras industriais, substituindo o combustível fóssil.

Conforme, João Batista, esta unidade da máquina é a que necessita de constante manutenção, visto ser mais exigida em função da matéria prima ser muito resistente. O engenheiro informou que suas pesquisas continuam. No momento está desenvolvendo uma máquina simples que não precisa de energia elétrica. Ela corta o coco e extrai o óleo através de prensagem.

João Batista informou que com a Embrapa, visitou vários municípios maranhenses onde se explora o coco babaçu, e com a Fundação Mussambê (Ceará) e municípios do Piauí, onde percebeu que o que existe é muito rudimentar. O Brasil possui cerca de cinco bilhões de palmeiras de babaçu, sendo que 90 % estão no Maranhão - embora o aproveitamento dos seus produtos seja de somente 1,7 por cento. A máquina criada pelo engenheiro maranhense possibilita mais aproveitamento, com perda de apenas cerca de sete por cento, ou seja, os resíduos (poeira) produzidos durante o processo de desfibrilização.

As máquinas produzidas pelo engenheiro João Batista dos Santos Oliveira, em sua oficina, no Anjo da Guarda, estão sendo exportadas para outros estados como Rondônia e Tocantins; e municípios do interior maranhense como Matinha e Codó, onde montou uma unidade com capacidade de produzir vinte toneladas/dia. As máquinas são produzidas mediante encomenda, mas João Batista já estuda a possibilidade de criar uma linha de produção.

O engenheiro João Batista avalia que na indústria, um emprego tem o custo em torno de R$ 100 mil e na agricultura cerca de R$ 40 mil, enquanto que com o uso de suas máquinas, o custo da mão de obra é muito baixo e com o benefício de oferecer maior quantidade de empregos para as populações nativas nas regiões do cocais, não possibilitando prejuízos às quebradeiras de coco, que serão mão de obra absorvida para o desempenho de um trabalho mais cômodo e menos prejudicial à saúde das mesmas.

O BABAÇU NA CULINÁRIA

O leite e o azeite de coco babaçu são muito utilizados na culinária típica do Maranhão. Na Baixada maranhense a peixada de bagrinho no leite de coco babaçu, temperado com o azeite (óleo) também extraído das amêndoas daquele coco é prato muito requisitado. O leite de babaçu é muito usado nos guisados de sururu e também nos cozidos de peixes de água salgada.

O óleo do babaçu é muito utilizado no molho vinagrete que acompanha a caranguejada, iguaria típica que tem presença o ano inteiro nos restaurantes e bares da orla marítima de São Luís. É muito utilizado em tortas de camarões, sururu, e caranguejo, pelo sabor marcante, encorpado e gostoso que dá a estes pratos. Há também quem não dispense um ovo frito no azeite de coco babaçu no café da manhã ou mesmo num lanche rápido.

BENEFÍCIOS E PROPRIEDADES MEDICINAIS

O coco babaçu que tem o nome científico de Orbignya speciosa faz parte da Relação Nacional de Plantas Medicinais de interesse ao SUS (RENISUS). O mesocarpo do babaçu é usado no Brasil como suplemento alimentar e na medicina popular para o tratamento de inflamações, cólicas menstruais e leucemia.

O babaçu possui importantes constituintes químicos, tais como triterpenos, taninos, açúcares, saponinas e compostos esterópides. Seus polissacarídeos tem ação anti-inflamatória e imunomoduladora. Outros estudos realizados demonstraram que o babaçu é um bom cicatrizante, protetor gástrico, anti-trombose e antimicrobiano. Além de suas amêndoas que contém o óleo, componente mais importante terapeuticamente e utilizado em alimentos, as folhas também costumam ser consumidas na forma de tinturas e chás.

O extrato etanólico do babaçu, testado em linhagens de células humanas leucêmicas, tumores de próstata e câncer de mama, promoveu diminuição da viabilidade em todas estas de maneira dose-dependente. Neste estudo, o efeito foi mais pronunciado sobre as linhagens celulares tumorais quando comparado às não tumorais. Além disso, o babaçu tem atividade antioxidante e a capacidade de sequestrar radicais livres, protegendo as células do estresse oxidativo. Este efeito, além de ser protetor contra o câncer, retarda o envelhecimento precoce. Não foram relatados efeitos colaterais decorrentes do uso, nas bibliografias consultadas.

O óleo de babaçu é muito usado pela indústria de cosméticos na produção de sabões, sabonetes, shampoos e outros produtos.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.