15°/ 28°
Belo Horizonte,
21/NOV/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Crise entre secretários não atinge governos em SP

Agência Estado

Publicação: 23/05/2014 08:31 Atualização:

São Paulo, 23 - O bate-boca entre autoridades de Prefeitura e do governo do Estado por causa da greve dos motoristas provocou elogios até entre setores do PT que criticam a atuação política do prefeito Fernando Haddad desde a posse, em janeiro de 2013. Os petistas enxergaram nas palavras duras trocadas entre o secretário dos Transportes, Jilmar Tatto, e o subsecretário estadual de Comunicação, Márcio Aith, a possibilidade de um rompimento entre Haddad e o governador Geraldo Alckmin (PSDB).

A proximidade de Haddad com Alckmin é motivo de reclamações no PT principalmente depois das manifestações de junho do ano passado, mas segundo fontes da Prefeitura não será desta vez que os petistas poderão comemorar o azedamento das relações entre o prefeito e o governador.

Na terça-feira, 20, Tatto acusou a Polícia Militar de omissão e Aith reagiu dizendo ao vivo na TV que um deputado do PT ligado ao secretário participou de uma reunião com supostos integrantes do PCC. Segundo fontes da Prefeitura, o bate-boca ficou restrito a Tatto e Aith e não contaminou o diálogo entre Hadad e Alckmin.

Ainda na terça-feira o prefeito e o governador conversaram sobre ações conjuntas para debelar a greve. O fato de a Polícia Militar se omitir, na avaliação da Prefeitura, diante de supostos atos de sabotagem por parte de grevistas - como rasgar pneus dos ônibus - não foi debitada na conta do governador. De acordo com auxiliares de Haddad, foi "só" mais uma barbeiragem da PM a exemplo de outros episódios como a omissão diante de crimes na Virada Cultural e a repressão às manifestações de junho.

As declarações de Aith também não foram interpretadas como um ataque à Prefeitura, mas como uma reação eleitoral dirigida a Tatto e ao posicionamento crítico do Ministério Público Estadual quanto à PM.

Nesta quinta-feira, 22, dirigentes petistas saíram em defesa de Haddad e criticaram Alckmin. "Haddad não tem culpa nenhuma. Se houve algum problema foi o fato de a PM não ter agido enquanto as ruas ficaram completamente entregues aos grevistas", disse o presidente estadual do PT, Emidio de Souza, coordenador da pré-campanha de Alexandre Padilha ao governo de São Paulo.

"A responsabilidade do Haddad nessa greve é nenhuma. Cabe aos trabalhadores negociar com os patrões e ao sindicato dos patrões cumprir os acordos", afirmou o presidente municipal do PT, Paulo Fiorillo. Em conversas reservadas, dirigentes do PT também elogiaram o fato de Haddad ter consultado o governo federal e o Ministério do Trabalho durante os momentos de maior tensão.

'Guerrilha'.

Uma das exceções foi o ex-deputado Ricardo Zarattini, que integrou grupos de resistência armada à ditadura militar e criticou em uma rede social o uso da palavra "guerrilha" pelo prefeito para classificar a greve dos motoristas. "Os motoristas e os cobradores não tem nada a ver com uma suposta e inexistente 'guerrilha'. Menos companheiro Haddad!", disse Zarattini.

As informações são do jornal

O Estado de S. Paulo.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.