11°/ 20°
Belo Horizonte,
30/JUL/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Ex-presidente de sindicato teria estimulado greve em SP

Agência Estado

Publicação: 22/05/2014 08:49 Atualização:

São Paulo, 22 - Um ex-presidente do sindicato dos motoristas teria ajudado a dar início à paralisação de 48 horas nos ônibus paulistanos. Tudo começou em uma reunião a portas fechadas da cúpula do Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo (Sindmotoristas), ocorrida na segunda-feira, 19, à noite.

No encontro, foi decidido que a proposta patronal seria aceita mesmo antes de ouvir a categoria, em assembleia que estava marcada para terça, às 16 horas. Motoristas e cobradores afirmam que a medida revoltou a categoria. Presente naquele encontro, o atual secretário de Finanças do Sindmotoristas, Edvaldo Santiago da Silva - que já presidiu a entidade -, teria inflamado os profissionais a se rebelarem contra a decisão e o sindicato.

Segundo profissionais ouvidos pela reportagem, Santiago teria ido, às 4h de terça, até a garagem da empresa Santa Brígida, na Vila Jaguara, zona oeste de São Paulo, e mostrado uma foto do encontro, afirmando que o sindicato estava fechando o acordo por conta própria. A informação começou a ser repassada para outros profissionais, até chegar à Viação Sambaíba, a maior da cidade. Procurado, Santiago não quis falar com a reportagem e se limitou a negar que tenha feito isso.

O dia de ontem foi de protestos na frente das cinco garagens de Santa Brígida e Sambaíba. Os gritos de guerra dos trabalhadores não eram contra as empresas, mas contra o sindicato e o presidente da entidade, José Valdevan de Jesus Santos, conhecido como Noventa. "Valdevan pode esperar, a sua hora vai chegar", cantavam nesta quarta-feira.

Copa.

Sindicalistas eram hostilizados. Os manifestantes ainda soltaram rojões durante o dia. À tarde, o motorista Tales de Souza Oliveira, de 35 anos, entregava panfletos na garagem da Santa Brígida, falando que o movimento seria mantido até a Copa do Mundo. "Esse sindicato fatura R$ 20 milhões por mês e só apronta com a gente há mais de 20 anos. Nós não temos nada a reclamar da empresa, a revolta é contra o sindicato, com o que ele faz por trás da gente", diz ele, que não é sindicalizado.

Valdevan Noventa foi eleito presidente do Sindmotoristas no ano passado, representando vitória da oposição. A entidade tem histórico de brigas pelo poder que já deixou 16 mortos nos últimos 14 anos. Na votação do ano passado, houve um tiroteio e oito ficaram feridos. "Nó elegemos esse pessoal achando que tudo mudaria, que as coisas ficariam mais transparentes e nos deram uma punhalada nas costas. Isso é inadmissível", diz José Gomes, de 41 anos, há oito na empresa Gato Preto, outra que aderiu em massa. "Ninguém arreda o pé até a Copa, vamos mostrar para o sindicato que ninguém é pelego." As informações são do jornal

O Estado de S. Paulo.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.