18°/ 28°
Belo Horizonte,
23/NOV/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Categorias se unem para protesto amanhã no Rio

Agência Estado

Publicação: 20/05/2014 20:01 Atualização:

Rio, 20 - Diferentes categorias profissionais em greve ou em negociação salarial fazem nesta quarta-feira, 21, um dia de manifestação unificada. Policiais civis, professores universitários e das redes públicas estadual e municipal, servidores da cultura e da saúde estão entre os que aderiram ao protesto. O principal ato está marcado para as 15 horas, com concentração na Praça XV. De lá, os manifestantes vão caminhar até a Assembleia Legislativa, onde fazem o protesto.

Professores universitários de instituições federais decidiram fazer 24 horas de paralisação e aderir ao ato - funcionários administrativos já estão em greve desde 17 de março. A pauta conjunta de reivindicações inclui a reestruturação da carreira docente, valorização de aposentados e inativos e o respeito à autonomia universitária. Institutos federais, como Cefet e Colégio Pedro II, e professores das redes públicas do Estado e do município também vão participar do ato.

Os policiais civis aderiram às manifestações convocadas pela Confederação Brasileira de Trabalhadores da Polícia Civil e fazem ato à parte, às 9 horas, em frente à Chefia de Polícia. A categoria reivindica a incorporação de gratificações, que não são pagas em caso de afastamento do trabalho. A incorporação equivale a um aumento de cerca de 80% nos salários.

Policiais Federais e Rodoviários Federais decidiram não participar dos protestos. "Vamos fazer parte da marcha, em Brasília, mas por enquanto não faremos atos regionais. Estamos em negociação com o Ministério da Justiça e vamos aguardar as propostas", afirmou o presidente do sindicato dos policiais rodoviários federais no Rio, Marcelo Novaes. "Se o governo não demonstrar boa vontade, não descartamos parar na Copa".

Já os rodoviários decidiram nesta terça suspender o movimento de greve, depois que duas lideranças prestaram depoimento na Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados (DDSD). "Eles foram sem advogado e falaram que a gente está indiciado por formação de quadrilha. Vamos ver direito isso aí e vamos fazer nova assembleia no dia 27", disse a cobradora Maura Lúcia Gonçalves, uma das lideranças. O movimento dos rodoviários é uma dissidência do sindicato. A primeira paralisação, no dia 8, terminou com 531 ônibus depredados.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.