Rodoviários do Rio cogitam liberar catracas em novo ato

Para sindicato das empresas de ônibus, ato é ilegal, constitui crime e pode dar demissões por justa causa

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 16/05/2014 14:07 / atualizado em 16/05/2014 15:34

Agência Estado

Ricardo Moraes/Reuters

O Rio Ônibus, sindicato das empresas de ônibus da cidade do Rio, divulgou nesta sexta-feira, 16, nota de repúdio ao movimento "catraca livre", cogitado por motoristas e cobradores grevistas. Nesta quinta-feira, 15, um grupo de dissidentes cogitou permitir que, no próximo ato, os passageiros deixem de pagar a passagem. Motoristas e cobradores farão uma nova assembleia para definir os rumos da greve na próxima terça-feira, 20.

Para o Rio Ônibus, a catraca livre seria "um ato ilegal" que "constitui crime". "Mesmo sem representatividade legal na categoria (...) os manifestantes estão avaliando a possibilidade de liberar a entrada de passageiros sem o pagamento da tarifa, o que constitui crime". Os motoristas que aderirem ao movimento, segundo o sindicato, poderiam ser punidos com demissões por justa causa, "sem prejuízo do ressarcimento dos valores das passagens não pagas por usuários".

Ainda de acordo com a nota, "a estratégia (catraca livre) nada mais é do que a continuação do mesmo e ilegal movimento de greve, com a utilização de técnicas de sabotagem". "Na prática, deixar de cobrar passagem constitui ilegal utilização do patrimônio alheio, para inviabilizar, dolosamente, a prestação de serviço essencial à comunidade".

"Os rodoviários que aderirem a tal prática poderão responder civil e criminalmente por esses atos", completa o texto.

Segundo o Rio Ônibus, "o reajuste salarial concedido aos rodoviários e o aumento do vale alimentação superam os índices oficiais estipulados para corrigir a tarifa de ônibus", desde 2010. Cálculos do sindicato apontam que, entre maio de 2010 e abril de 2014, os rodoviários receberam reajuste salarial de 46,41% e aumento no vale alimentação de 130,77%. No mesmo período a tarifa teria sido ajustada em 27,66%.

Os rodoviários reivindicam reajuste salarial de 40%, vale alimentação de R$ 400 e fim da dupla função de motorista e cobrador. Na última terça-feira, 13, a Justiça do Trabalho considerou a greve ilegal (entre outros motivos porque não foi anunciada com 72 horas de antecedência) e reconheceu o Sindicato de Trabalhadores de Transporte Urbano do Rio (Sintraturb-Rio) como representante legítimo da categoria.
Tags:
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.