14°/ 31°
Belo Horizonte,
02/SET/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

MP atribui mais um crime ao pai de Bernardo Promotora descarta inocência de pai no caso, e o coloca como mentor do assassinato, já que seria o maior beneficiado por ficar com o patrimônio da mãe de Bernardo

Agência Estado

Publicação: 15/05/2014 16:19 Atualização: 15/05/2014 16:27

Leandro Boldrini, para promotora, o mentor do crime (Reprodução)
Leandro Boldrini, para promotora, o mentor do crime
O Ministério Público do Rio Grande do Sul ofereceu denúncia à Justiça contra o pai de Bernardo Uglione Boldrini, o médico Leandro Boldrini, a madrasta Graciele Ugulini, a assistente social Edelvânia Wirganovicz e o motorista Evandro Wirganovicz por participação total ou parcial no plano de assassinato do garoto e ocultação do cadáver, nesta quinta-feira, 15.

A acusação amplia os indiciamentos e os motivos apresentados pela Polícia Civil na terça-feira, ao final do inquérito que investigou o caso. A promotora Dinamárcia Maciel de Oliveira afirmou que Leandro foi o "mentor intelectual" do crime, Graciele foi "cúmplice em tudo" e Edelvânia foi "atraída para esse crime hediondo e cedeu". Mesmo que a Polícia não tenha indiciado Evandro porque ainda apura a participação dele, o Ministério Público entendeu que é certo que ele ajudou a ocultar o cadáver, restando saber se também participou de outras etapas do plano.

"O convencimento do Ministério Público é que Leandro, Graciele e Edelvânia mataram Bernardo Boldrini", afirmou a promotora. Os três foram acusados de homicídio doloso com qualificadoras como motivo torpe e fútil e dissimulação que dificultou a defesa da vítima e também por ocultação de cadáver. Leandro também foi acusado de falsidade ideológica por ter registrado ocorrência de desaparecimento, colocando toda a comunidade à procura do filho, quando, segundo a acusação, já sabia que ele estava morto.

Enquanto a polícia se limitou a dizer que o motivação dos autores foi a desarmonia familiar que levava o pai à indiferença e a madrasta ao ódio contra a criança e o desejo do casal de se ver livre dela, o Ministério Público viu também motivações patrimoniais. A promotora revelou que a morte do filho abriria caminho para o médico ficar com o patrimônio que o garoto herdaria da mãe, com quem foi casado até 2010, quando ela se suicidou.

A apuração policial indicou que Bernardo foi levado pela madrasta de Três Passos, onde a família reside, para Frederico Westphalen, a 80 quilômetros, no dia 4 de abril. Na cidade vizinha, os dois embarcaram em um automóvel de Edelvânia. Na volta, o garoto não estava mais junto. No dia 14, depois de obter confissão da assistência social, a polícia encontrou o corpo em um matagal. Detidos no mesmo dia, Leandro, Graciele e Edelvânia ficaram presos temporariamente por 30 dias e agora estão presos preventivamente por tempo indeterminado. Evandro foi preso temporariamente no sábado passado, dia 10.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.