15°/ 28°
Belo Horizonte,
23/OUT/2014
  • (6) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

São Paulo enfrenta risco de ficar sem água durante o Mundial De acordo com especialistas, já ocorre racionamento informal na periferia e em cidades menores do estado

Felipe Seffrin

Publicação: 15/05/2014 11:12 Atualização: 15/05/2014 11:48

Governo responsabiliza a falta de chuvas para justificar o baixo nível dos reservatórios  (REUTERS/Paulo Whitaker)
Governo responsabiliza a falta de chuvas para justificar o baixo nível dos reservatórios

São Paulo vive um problema crônico de distribuição de água às vésperas de sediar seis partidas da Copa e de receber 15 delegações estrangeiras. O governo nega, mas a possibilidade de desabastecimento durante o Mundial é real, de acordo com especialistas. Turistas e convidados da Fifa, porém, não precisam se preocupar. A água para eles está garantida. Quem deve pagar o pato é a população que vive nas periferias da metrópole e em cidades menores da Grande São Paulo. Ainda que a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) jure que não há restrição de consumo, existem relatos de moradores sofrendo com torneiras secas em bairros carentes.

Ontem, o nível do Sistema Cantareira, que abastece a região da Grande São Paulo, chegou a alarmantes 8,4% da capacidade, pior índice desde 1974, quando foi criado. Para evitar a falta de água generalizada e a necessidade de racionamento, a Sabesp recorreu pela primeira vez na história ao chamado “volume morto”, que entra hoje em atividade. Foram investidos R$ 80 milhões em canais e bombas capazes de sugar a água que fica abaixo do nível das comportas, estimada em 400 milhões de metros cúbicos. Com o uso do volume morto, a capacidade do sistema sobe para 18,5%, de acordo com estimativas.

Mas o reforço da água subterrânea pode ser incapaz de evitar a crise hídrica em São Paulo nos próximos meses, quando o volume de chuvas será ainda menor. Há tempos, moradores de bairros afastados do centro da capital — como Vila Guilherme, Lauzane Paulista e Vila Amália, na Zona Norte — reclamam de cortes de distribuição, principalmente à noite. Osasco, São Caetano do Sul e Guarulhos, na região metropolitana, também registram problemas no abastecimento. Na semana passada, o Instituto Data Popular apontou que 23% dos habitantes do estado tiveram problemas de falta de água nos últimos três meses, o equivalente a 6 milhões de pessoas. Os mais afetados (25%) são os que recebem até um salário mínimo por mês.

“A chance de faltar água durante a Copa do Mundo é real. Existe, sim, o risco do racionamento informal. O nível do sistema é crítico”, alerta Paulo Costa, engenheiro e especialista em programas de racionalização de consumo de água. “Já temos notícias de consumidores que reclamam de rodízio informal, mas a Sabesp nega. Nas áreas onde haverá uma grande concentração de turistas, nas áreas centrais, nos grandes hotéis, a Sabesp não vai deixar faltar água. Mas quem estiver nas áreas periféricas da cidade vai sofrer.”

Júlio Cerqueira César Neto, professor aposentado de hidráulica e saneamento da Escola Politécnica da USP, também alerta para o tamanho do problema. “O sistema está em colapso. Em dezembro, já deveríamos ter adotado o racionamento. Já há um racionamento seletivo dirigido aos mais pobres. O governo só não faz o racionamento completo porque quer superar dois eventos: a Copa e as eleições”, condena César Neto. “Usar o volume morto só vai prorrogar o problema por alguns meses. Os turistas não vão sofrer com a falta de água na Copa. Mas em outubro teremos um Sistema Cantareira seco, sem volume morto, sem ter de onde tirarmos água.”
Tags:

Esta matéria tem: (6) comentários

Autor: Antônio Antônio Macedo Filho
Caro Marcos Pereira, não é devido ao alto número de pessoas não!! É devido a incompetência do governo estadual. Tem três anos que as chuvas estão diminuindo e o governo espera a situação ficar como está para, depois, colocar a culpa no povo. É o povo que gasta muita água ou o governo é incompetente? | Denuncie |

Autor: Rodrigo Andrade
Acham mesmo que a culpa é do governo? E as pessoas que lavam seus carrões e suas calçadas com mangueira sem a menor preocupação ambiental? E os vazamentos que são tratados com descaso (isso tem em todo lugar, observem)? Paguem o preço da falta de educação ambiental de cada um. | Denuncie |

Autor: Marco Pereira
CORRE O RISCO NÃO...vai ficar sem água devido o alto movimento de pessoas na cidade e o uso de descargas, chuveiros e torneiras. Não souberam projetar e executar meios para que nunca acontecesse tal fato e agora meus amigos, é amargar com a falta desse líquido maravilhoso...precioso: água. | Denuncie |

Autor: Robson Silva
Parabéns governo de SP! Parabéns eleitor de SP por manter o mesmo partido no governo há 20 anos! | Denuncie |

Autor: domicio junior
Esse e o governo do PSDB,e o que queremos para todo Brasil.TO FORA DE VOCÊ AECIO | Denuncie |

Autor: Antônio Antônio Macedo Filho
KKKKKK. Vejam a competência PSDBista!!!! Parabéns governador!!!! Corre o risco??? Já estão sem água???? Qual o projeto da empresa estatal de água para recuperar as nascentes???? Nenhum, só querem arrobar os cofres da empresas estatais para se enriquecerem.. Acorda Brasil!!Na política só tem Alibabás! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.