Justiça de Pernambuco diz que greve da PM é ilegal e determina volta imediata ao trabalho

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 15/05/2014 10:49 / atualizado em 15/05/2014 11:53

Agência Estado

O Tribunal de Justiça de Pernambuco decretou a ilegalidade da greve dos bombeiros e policiais militares do Estado e determinou o imediato retorno dos grevistas sob pena de multa diária de R$ 100 mil. A primeira tropa da Força Nacional de Segurança Pública ao Estado chegou por volta das 5h30 desta quinta-feira, 15, e deve iniciar o policiamento dos principais corredores da capital e Região Metropolitana por volta das 10 horas. Outras equipes são esperadas à tarde.

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, vai ao estado acompanhado pelo general do Exército que comandará a operação. Os grevistas prometem uma passeata pelo centro do Recife e realizam assembleia ao final da caminhada na frente do Palácio do Campo das Princesas. O líder do movimento, soldado Joel do Carmo, disse ter ficado surpreso com a decretação da ilegalidade e do caráter de abuso da greve porque 30% da categoria trabalhando, segundo ele, mantendo os serviços essenciais de segurança. Ele afirmou que "oficiais de alto escalão" devem aderir ao movimento.

A prefeitura do município metropolitano de Abreu e Lima, cujo comércio foi alvo de arrombamentos e saques na noite desta quarta-feira, 14, determinou ponto facultativo na cidade diante da insegurança da população com a paralisação dos policiais militares.

'Custe o que custar'

 

Em entrevista nesta quinta-feira, 15, o governador de Pernambuco, João Lyra Neto (PSB), afirmou que manterá "a ordem e a segurança do povo pernambucano, custe o que custar". O governador também falou sobre a decisão do TJ. "Determinação judicial pode até ser contestada, mas tem de ser cumprida", disse.

O governador afirmou que o Estado tem limites fiscais e legais que o impedem de conceder o reajuste de 50% para soldados e praças e de 30% para oficiais, índices reivindicados pela categoria. Lyra Neto aguarda a chegada do ministro da Justiça.

Tags: