13°/ 25°
Belo Horizonte,
22/JUL/2014
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Moradores de Ipanema estão apreensivos com abertura de crateras Nesta madrugada, duas crateras surgiram próximo as obras para a construção da Linha 4 do Metrô

Agência Brasil

Publicação: 11/05/2014 20:02 Atualização:

Moradores de Ipanema, zona sul do Rio de Janeiro, estão apreensivos com a abertura de duas crateras nas obras para a construção da Linha 4 do Metrô. Na madrugada deste domingo (11), eles foram surpreendidos com dois buracos que surgiram na Rua Barão da Torre, no trecho entre as ruas Teixeira de Melo e Farme de Amoedo, onde o subsolo está sendo o escavado com um equipamento chamado de "tatuzão".

Oscar Castro, que mora há 15 anos no número 137 da rua, disse que ele, a mulher e os dois filhos chegaram a preparar uma mala, caso tivessem que deixar o apartamento. A calçada em frente ao prédio ficou com um buraco e o estrago atingiu o portão de entrada, que afundou. Ele contou que na semana passada já havia uma movimentação diferente dos trabalhadores na obra. “Se isso afundou, tem alguma coisa estranha lá embaixo. Se começa a botar concreto, é muito estranho”, contou, referindo-se ao trabalho dos operários da obra. De acordo com ele, os trabalhadores, após a abertura das crateras, começaram a usar concreto para cobrir os buracos.

O morador Fernando Bittencourt, que mora há 20 anos no número 123 da rua, disse que há dez dias foi interrompido o abastecimento de gás da casa dele. Em consequência, aumentaram os gastos com a alimentação em restaurantes. O economista pretende entrar na Justiça contra o Consórcio Linha 4 Sul, responsável pelas obras entre os bairros de Ipanema e da Gávea, para ser ressarcido. “O meu prédio rachou entre um bloco e outro. Junto com a trepidação, romperam três encanamentos de gás. O meu apartamento foi [onde rompeu] um deles”, informou.

O gerente de produção do consórcio, Aluísio Coutinho, informou que, após o acidente, a empresa acionou o Plano de Atendimento a Emergências e mobilizou a prefeitura do Rio de Janeiro, o Corpo de Bombeiros, a CEG, a Light, a Cedae, a CET-Rio e o 23º Batalhão da Polícia Militar. Ele acrescentou que o reparo da calçada foi feito com injeção de concreto no solo.

O diretor disse que os técnicos e projetistas do consórcio estão analisando as causas do afundamento. Coutinho garantiu que os danos causados pela obra serão reparados. “Todos os prejuízos que possam ser caracterizados como prejuízos causados pelo Metrô serão ressarcidos. Quanto a isso os moradores podem ficar tranquilos”, disse.

Aluísio Coutinho contou ainda que o monitoramento da obra é feito 24 horas por dia, incluindo vistorias nos imóveis próximos às escavações dos túneis e estações. “Esse monitoramento tem sido estável, ou seja, não existe risco para as edificações”, destacoum, acrescentando que as monitorações estão sendo feitas a cada meia hora. “Tudo indica a estabilidade das edificações”, defendeu.

Ele não soube explicar se o afundamento tem relação com a utilização do "tatuzão". “A gente agora está avaliando toda a instrumentação para tentar entender de onde vem esse processo, para tentar entender se tem ou não relação com o 'tatuzão'”, avaliou.

Após a reunião que teve com técnicos e projetistas do Consórcio Linha 4 Sul, no canteiro de obras do Jardim de Alah, na zona sul da cidade, o subsecretário municipal de Defesa Civil, Márcio Motta, disse que uma das explicações possíveis para a causa do acidente é a ocorrência de uma falha geológica na área. De acordo com o subsecretário, está decidido que as obras só serão retomadas após a conclusão de todos os estudos e análises, o que só deve acontecer no meio da semana que vem. “Pode ter sido uma falha geológica, pode ter sido algum carreamento de água. Eles estão avaliando para verificar se vão ter que reajustar ou não o modo das escavações. Estão avaliando tudo isto”, adiantou.
Tags:

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Romário Rocha
Em Belo Horizonte uma obra nas esquinas das ruas Muzambinho / Cabo Verde, em dezembro/2014, os responsáveis pela obra afirmou categoricamente que a obra não trazia risco nenhum p/ as vizinhanças. A rua afundou em dezembro e até hoje não foi normalizado. E os prejuizos dos moradores ninguém fala nada. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.