17°/ 30°
Belo Horizonte,
31/OUT/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Em meio a protestos, sem-teto marcam encontro com Dilma Manifestantes que invadiram terreno de Itaquera próxima a arena da Copa fazem pressão e conseguem reunião para discutir sobre a ocupação e o programa Minha Casa Minha Vida

Agência Estado

Publicação: 08/05/2014 14:37 Atualização: 08/05/2014 15:41

Cerca de 150 manifestante ocuparam e picharam a sede da Odebrecht  (Beatriz Pasqualino/Radioagência Nacional)
Cerca de 150 manifestante ocuparam e picharam a sede da Odebrecht

Após uma manhã de manifestações que teve até invasão ao prédio da construtora Odebrecht, na zona oeste da capital paulista, representantes do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) se encontram com a presidente Dilma Rousseff em Itaquera, nesta quinta-feira, 8, para discutir sobre a ocupação "Copa do Povo", o Programa Minha Casa Minha Vida e os despejos que vem sendo realizados no País. O encontro foi agendado após a assessoria de imprensa da presidente entrar em contato com os manifestantes, o que levou ao término dos protestos.

Segundo o coordenador do MTST, Guilherme Boulos, não haverá protesto do movimento em frente ao "Itaquerão" porque a assessoria da presidente Dilma entrou em contato com o grupo dizendo que seriam recebidos por ela. Inicialmente sem divulgar sua rota, o grupo, que saiu do Metrô Butantã seguiu em direção ao prédio da Odebrecht. Cerca de mil integrantes do MST se juntaram à marcha, que teve orientação para que não houvesse quebra-quebra. Entre os manifestantes, havia idosos e crianças. O povo gritava "Dilma, a culpa é sua" e carregava uma faixa contra a construtora.

Ao chegarem no edifício, cerca de 150 manifestantes invadiram por 15 minutos o prédio da empresa e fizeram pichações por dentro e por fora da recepção do edifício com a inscrição "copa das tropas e das empreiteiras". Nada foi quebrado, mas, durante a ação na recepção, algumas pessoas do movimento chegaram a barrar as portas giratórias de acesso. "Não sei o que fazer, parece que eles fecharam todas as portas", disse um funcionário da construtora que chegava para trabalhar, mas não conseguiu entrar no prédio. Ele preferiu não se identificar.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.