Estado planeja centro para imigrantes na Barra Funda

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 07/05/2014 22:07

Agência Estado

São Paulo, 07 - A Secretaria Estadual da Justiça e da Defesa da Cidadania de São Paulo planeja a instalação de um centro de acolhimento para imigrantes estrangeiros na Barra Funda (zona oeste da capital). No local, eles poderão providenciar a documentação para permanecer no País e terão informações sobre vagas de emprego e serviços públicos. O centro não funcionará como abrigo.

O anúncio foi feito pela secretária Eloisa de Sousa Arruda após reunião com o 6procurador da República dos Direitos do Cidadão Aurélio Virgílio Veiga Rios, na segunda-feira. Ele esteve em São Paulo para discutir a situação dos haitianos que desembarcaram na cidade recentemente. “Seria um grande centro de acolhimento, e não apenas um centro de triagem. Lá essas pessoas receberiam um acompanhamento”, afirmou.

De acordo com o procurador, a responsabilidade pelos imigrantes que chegam ao País é das esferas municipal, estadual e federal. “A Prefeitura, o governo estadual e o governo federal têm de fazer um acordo sobre como fazer esse direcionamento. Os haitianos que estão chegando não são clandestinos, eles têm visto humanitário”, disse o procurador.

De acordo com o governo paulista, no entanto, o projeto ainda é embrionário e são necessários acertos para que saia do papel. A assessoria de imprensa preferiu não dar detalhes.

A Prefeitura anunciou anteontem que teria um novo abrigo para mil haitianos que chegaram à cidade nos três primeiros meses do ano. Com capacidade para 120 pessoas, o local estava previsto para começar a acolher haitianos nesta semana. O abrigo funcionará como reforço à Igreja Nossa Senhora da Paz, na Rua do Glicério, no centro, que tem acolhido os haitianos desde o fechamento em abril do abrigo em Brasileia, no Acre.

O prefeito Fernando Haddad (PT) disse que a capital não terá problemas no acolhimento. “Nosso problema não é acolher, o problema é a organização prévia para que eles cheguem com documentação, Carteira de Trabalho. Muitos são roubados antes de chegar ao Brasil. A finalidade é garantir que eles saiam do Acre já com a Carteira de Trabalho”, afirmou Haddad.
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.