Garoto baleado no Morro do Macaco continua internado

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 06/05/2014 23:37

Agência Estado

Rio, 06 - Baleado na cabeça durante tiroteio na tarde da segunda-feira, 05, o menino Victor Gomes Bento, de 8 anos, foi submetido a cinco horas de cirurgia no Hospital Federal do Andaraí e permanecia internado em estado grave até a noite desta terça-feira, 06. A vítima foi atingida no Morro dos Macacos, em Vila Isabel, zona norte do Rio, comunidade que tem uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) desde 2011,

Na tarde da terça-feira, ele foi transferido para o Hospital Federal dos Servidores, que possui uma unidade especializada em neurocirurgia pediátrica. Grávida de sete meses, Vera Gomes acompanhou a transferência do filho, que tem cinco irmãos.

Por volta das 21 horas, moradores do Morro dos Macacos fizeram um protesto em frente à UPP. Alguns atiraram pedras contra a unidade, e a polícia recorreu a bombas de efeito moral para dispersar os ativistas. Segundo a PM, não houve registro de feridos, de tiroteios nem de presos.

O delegado responsável pela investigação foi ao morro e disse que fará uma reconstituição nos próximos dias para tentar descobrir de onde partiu o tiro que atingiu Victor.

Bala perdida

Victor voltava da escola e estava acompanhado do irmão quando foi baleado. Ele atravessava uma rua da favela quando ocorreu o tiroteio entre policiais e criminosos, perto da base da UPP. Foi socorrido pelo dono de uma loja de materiais de construção. Duas pistolas e um fuzil usados por policiais que participaram da ação foram recolhidas para perícia. Quatro PMs foram ouvidos ontem pela Polícia Civil e outros quatro devem ser intimados. Ninguém foi preso.

Depois que Victor foi baleado, moradores fizeram uma manifestação contra a ação da PM. Barricadas de lixo foram incendiadas nos acessos à favela e policiais usaram bombas de gás e spray de pimenta para acabar com o protesto. Alguns moradores passaram mal em meio ao tumulto, incluindo crianças.
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.