Clientes apoiam bar contra o Psiu

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 26/04/2014 11:34

Agência Estado

Um clima de "desafio alegre" tomava os frequentadores da Mercearia São Pedro, na Vila Madalena, zona oeste de São Paulo, na noite de ontem. O bar funciona normalmente uma semana após uma vistoria constatar que o local não havia se adequado ao Programa de Silêncio Urbano (Psiu). Segundo a Prefeitura, uma decisão judicial mantém o lugar aberto.

Mas, para o gerente, que se identificou só como Neto, tudo isso "que foi publicado na imprensa é mentira". Ele disse que os donos e advogados da casa vão se pronunciar publicamente sobre o caso na semana que vem.

Os clientes estavam indignados com o possível fechamento do bar. "Queremos barulho mesmo. Somos anarquistas. O nosso negócio é acordar bebês", disse sarcasticamente à reportagem um dos frequentadores, que não quis se identificar. Para o educador Fernando Pimentel, de 27 anos, a ideia de fechar o Mercearia "é uma visão careta de quem não entende que isso é cultura".

Assíduo frequentador do bar, o escritor Marcelino Freire defende uma solução apaziguadora. "A burocracia muito sisuda, muito pragmática, tudo dentro do quadradinho. A lei existe e tem de ser cumprida, mas é possível fazer um acordo com os vizinhos. O que não podemos é perder esse patrimônio imaterial, essa boemia tão salutar para as artes."

O presidente da Sociedade Amigos da Vila Madalena (Savima), Cássio Calazans, defende o bar, mas concorda que é preciso fazer ajustes. "Ele foi um dos primeiros bares (do bairro). Com a evolução da Vila Madalena, foi pegando nome", conta. "Mas as coisas aconteceram e o bar não foi arrumando." Um morador da vizinhança, que não quis se identificar, disse que espera que a lei seja cumprida. "Não quero o fechamento do bar, mas preciso de silêncio na madrugada. É pedir muito?"
Tags:
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.